Don´t feed the trolls – Manual de Sobrevivência

além de feio e repulsivo, é perigoso

Todo editor de blog que se preze, e preze seu blog!, deve conhecer certas leis de convivência na Net, e a isto chamamos de Netiqueta. Saiba um pouco mais sobre:

Netiqueta é uma etiqueta que se recomenda observar na internet. A palavra pode ser considerada como uma gíria, decorrente da fusão de duas palavras: o termo inglês net (que significa “rede”) e o termo “etiqueta” (conjunto de normas de conduta sociais). Trata-se de um conjunto de recomendações para evitar mal-entendidos em comunicações via internet, especialmente em e-mails, chats, listas de discussão, etc. Serve, também, para regrar condutas em situações específicas (por exemplo, ao colocar-se a resenha de um livro na internet, informar que naquele texto existem spoilers; citar nome do site, do autor de um texto transcrito, etc).

Atente para o fato de que estas regras de etiqueta aplicadas à internet não são oficiais, nem estão documentadas em nenhum lugar. A compilação de normas abaixo está sendo escrita e expandida de forma colaborativa e voluntária, pelos próprios usuários da Internet. (Leia mais na fonte: Wikipédia)

Quando um blog começa a crescer, ele começa, também, entre outras coisas, a incomodar. Para uns, a descoberta de um blog pode ser um verdadeiro achado, e trazer muitas informações úteis e prazerosas, alimentando, edificando e formando opiniões. É isto que desejo que meus leitores sintam quando encontrarem meu humilde blog e lerem meus posts.

Mas, infelizmente, nem todos gostam. É natural, também, isso.

Entretanto, quando começam a surgir personagens oriundos do submundo da internet, a coisa começa a ficar complicada. Refiro-me aos trolls, e saiba um pouco mais sobre essa obscura figura presente nas espumas sújidas das ondas virtuais. Conheça-o:

Um troll , na gíria da internet, designa uma pessoa cujo comportamento tende sistematicamente a desestabilizar uma discussão, provocar e enfurecer as pessoas envolvidas nelas. O termo surgiu na Usenet, derivado da expressão trolling for suckers (lançando a isca para os trouxas), identificado e atribuído ao(s) causador(es) das sistemáticas flamewars e não os trolls, criaturas tidas como monstruosas no folclore escandinavo[1]

O comportamento do troll pode ser encarado como um teste de ruptura da etiqueta[2], uma mais-valia das sociedades civilizadas. Perante as provocações insistentes, as vítimas podem (ou não) perder a conduta civilizada e envolver-se em agressões pessoais. Porém, independentemente da reação das vítimas da trollagem, o comportamento do troll continua sendo prejudicial ao fórum, pois o debate ou degenera em bate-boca ou prossegue sendo vandalizado pelo troll enquanto este tiver paciência ou interesse de atuar.

Há várias sistemáticas desenvolvidas por trolls para atuar num fórum de Internet, entre elas:

  • Jogar a isca e sair correndo: consiste em postar uma mensagem de polêmica grande já esperando uma grande reação de cadeia e flame war. Porém o troll não se envolve mais na discussão, some após a mensagem original e se diverte com a repercussão. Uma forma mais branda é postar noticias polêmicas (às vezes mensagens não-verídicas) só para observar a reação da comunidade.
  • Induzir a baixar o nível: alguns trolls testam a paciência dos interlocutores, induzem e persuadem a pessoa a perder o bom senso na discussão e apelar para baixaria e xingamentos. Com isso, o troll “queima o filme”, consegue que a pessoa se auto-difame na comunidade por ter descido a um nível tão baixo.
  • Repetição de falácias: outro método usado que induz ao cansaço, aqui o troll repete seu conjunto de falácias até que leve seu interlocutor à exaustão, alegando depois ter vencido a discussão após o abandono do oponente.
  • Desfile intelectual: um troll pode ter um bom nível intelectual, vocabulário sofisticado diante de outros discursantes, desfilar referências e contradizer os argumentos dos rivais por conhecimento e pesquisa, muitas vezes expondo-os ao ridículo e questionando sua formação educacional.

Esse é o troll, e é assim que ele é. Mas, como se combate um troll? A pergunta é fácil, mas a resposta não. Observe:

Antigamente acreditava-se que para combater trolls de forma eficiente, aos usuários e frequentadores de comunidades havia uma regra eficiente: Não alimente os trolls. (do inglês Don’t feed the trolls). Significava ignorar completamente alguém que se comporta como troll mesmo que a vontade de responder seja grande, para que ele morra por inanição. O fundamento dessa regra vem do fato de que se você discute com um troll, então ele já ganhou de você. Como um troll precisa de atenção para obter prazer e ser bem sucedido, ignorando um troll os usuários não apenas intimidariam seu ato como também provocariam profundo desgosto e frustração nele. O problema é que, quanto maior o quórum da discussão, mais difícil de se realizar essa tarefa, pois em qualquer grupo de debate sempre haverá alguém que responda ao troll. Mesmo que ninguém responda, nada é mais fácil do que convocar um segundo troll para discutir. Recentemente tornou-se comum observar a invasão de fóruns por grupos de trolls em que alguns “defendem” um ponto de vista e outros “defendem” o ponto de vista oposto apenas para baixar o nível da discussão, utilizando-se de argumentos estereotipados, falaciosos ou ofensivos.

Aos internautas sem poder de moderação, cabe apenas colaborar com a moderação indicando a atuação dos trolls e solicitando providências. Se a moderação não atuar adequadamente, o melhor é simplesmente abandonar o ambiente, pois a presença de trolls põe em xeque a credibilidade do blog ou da comunidade. No Orkut é inútil denunciar trollagem à equipe do site, pois não são tomadas providências pela Equipe Orkut nem mesmo nos casos de comunidades criadas especificamente para organizar ataques de trolls contra outras comunidades.

Aos moderadores de blogs, fóruns e comunidades, cabe evitar que um troll provoque estragos usando os poderes de moderação. As recomendações gerais são as seguintes:

  • Estabelecer regras de comportamento simples e claras, postadas em local bem visível para que não possa ser alegado seu desconhecimento.
  • Vigiar o conteúdo das mensagens para se certificar que nenhum direito está sendo violado.
  • Cortar pela raiz comentários provocativos, banindo temporária ou permanentemente os autores e alertando frequentemente os comentaristas de boa fé para não alimentar os trolls. (Leia mais na fonte: Wikipédia)

Na verdade, um troll não é bem um ser, mas um comportamento, e alguém que hoje é troll, no futuro poderá deixar de ser, e quem não o é, pode vir a ser, algum dia. É necessário vigiar sempre, não só para não deixar trolls invadirem e poluírem nossos espaços, como também para não sermos pilhados sendo trolls no espaço dos outros.

Enfim, manter um blog, quando se quer fazer um trabalho sério e honesto, não é fácil mas, no meu caso, tento fazer isso para a glória de Deus, de quem sou e a quem sirvo. Tenho falhas, sou limitado e cometo, invariavelmente, erros. Quando os descubro, procuro consertar, quando há conserto. Quando não, peço misericórdia.

O blog Desafiando Limites tem buscado edificar seus leitores com posts que os façam refletir, e confiar mais no Senhor dos Exércitos, o grande e soberano Senhor Deus (Jeová, Javé ou Iavé).

Você também mantém um blog e tem problemas com trolls? Deixe seu comentário e experiência  para nós.

 

Que tal receber um aviso quando sair algo novo e interessante no blog?

Cadastre seu email e receba artigos que vão abençoar seu dia!

Tags:

Wallace

Just another little servant of the Lord Jesus Christ. Apenas mais um pequeno servo do Senhor Jesus Cristo. Editor do blog Desafiando Limites (http://wallysou.com). Crítico do cristianismo evangélico da prosperidade e pensador cristão amador.

Faça seu comentário e enriqueça o post!

Blog Comments
Responder

Dores e prazeres de ser um blogueiro cristão

[…] e pesquisando assuntos. A inspiração nem sempre está disponível e fica ainda pior quando aparecem uns trolls para estragarem seu dia perturbarem sua paz. Se você está pensando em iniciar um blog, […]

[…] e pesquisando assuntos. A inspiração nem sempre está disponível e fica ainda pior quando aparecem uns trolls para estragarem seu dia perturbarem sua […]

[…] a nossa festa. Se já não bastasse ser difícil crescer em meio aos problemas, ainda tem uns trolls safados insistindo em puxar o freio de mão de nossa carroça. Cuidado com quem você chama para se sentar […]

[…] mesmo diante da decepção de descobrir a existência desses trolls, eu aprendi a lição, cresci com isso e me tornei mais esperto e desconfiado em certas […]

Bacana!

Os trolls são um problema em todos os tipos de comunidade. Há alguns contextos, porém, em que ignorá-los completamente pode não ser uma boa idéia. Por exemplo, em listas de discussão ou fóruns de suporte, onde há muitos casos de trolls que enviam informações que confundem os leitores menos experientes, ou simplesmente os levam a cometer erros. Nestes casos é muito importante que os outros participantes da discussão contornem a trollagem, corrigindo os equívocos gerados pelo troll e redirecionando a discussão para o lado certo, mas com muito cuidado para não alimentar o troll.

opa, mano!

de fato, muito boa sua observação: eu postei no contexto de blogs, e tendo o meu por estudo de caso, mas sua referência aos fóruns de suporte foi oportuna e relevante.

vlw pela contribuição!

abs.

Responder

Tweets that mention Don´t feed the trolls – Manual de Sobrevivência at Desafiando Limites e Vencendo Barreiras -- Topsy.com

[…] This post was mentioned on Twitter by wallysou, wallysou. wallysou said: Novo post: Don´t feed the trolls – Manual de Sobrevivência: Todo editor de blog que se preze, e preze seu blog!,… http://bit.ly/egzhFG […]

Olá, agradecemos sua visita e seu comentário. Sua opinião enriquece a discussão e é importante para nós, obrigado!

%d blogueiros gostam disto: