Obrigado po nos ajudar a melhorar.

31 de Dezembro – Até aqui recebi o auxílio do Senhor

Até aqui nos ajudou o Senhor. (1 Sm 7.12.)

A expressão: “Até aqui” parece-nos um marco referente ao passado. Cinqüenta, setenta anos se passaram, e “até aqui nos ajudou o Senhor!” Por meio de pobreza e riqueza, doença e saúde, em casa ou fora, em terra ou mar, em honra ou desonra, em oração ou tentação — “até aqui nos ajudou o Senhor”!

É agradável olhar para trás contemplando uma longa alameda de árvores. É bonito vê-las erguendo-se como colunas de um templo, fechando a abóbada com seu arco de ramos.

Da mesma forma, contemple as alamedas de seus anos passados e veja-os cobertos pelos ramos verdes da misericórdia de Deus, e os troncos, como os fortes pilares da Sua fidelidade e amor que sustentam as suas alegrias.

Não há aves cantando nas ramagens? Certo que haverá muitas, e todas elas cantam a misericórdia recebida “até aqui”.

Mas esta expressão aponta também para diante. Pois quando alguém chega a um certo marco e escreve: “Até aqui”, ele ainda não chegou ao fim; ainda há distâncias a percorrer.

Mais provas, mais alegrias, mais tentações, mais triunfos; mais orações, mais respostas; mais labores, mais vigor, mais lutas, mais vitórias; e então vem a doença, idade, enfermidade e morte.

E agora, é o fim? Não! Há mais ainda — acordar semelhante a Jesus, tronos, harpas, cânticos, vestes brancas, a face do Salvador, a companhia dos santos, a glória de Deus, a plenitude da eternidade, a sempiterna bem-aventurança.

O crente, tenha bom ânimo, e com grata confiança erija o seu “Ebenézer”, pois Quem te ajudou até aqui, Te ajudará até ao fim.

Quando lido lá na plena luz do Céu, que visão gloriosa e maravilhosa não desenrolará ante os seus olhos agradecidos, o seu “até aqui”.

Os pastores dos Alpes têm o bonito costume de terminar o dia cantando uns para os outros uma canção de despedida. O ar é tão cristalino, que a canção ecoa por longas distâncias.

Quando a noite começa a cair, eles tomam as ovelhas e as vão conduzindo montanha abaixo, cantando: “Até aqui nos ajudou o Senhor. Louvemos o Seu nome!”

Finalmente, como suave cortesia, cantam um ao outro a amistosa despedida: “Boa-noite! Boa-noite!” As palavras são leva das pelo eco, e de lado a lado vão repercutindo mansa e docemente, até morrer a música à distância.

Assim também, falemos um com o outro dentro da noite, até que as sombras fiquem cheias de muitas vozes, encorajando a hoste de peregrinos. Que os ecos se ajuntem, até que uma verdadeira massa sonora de “aleluias” chegue em ondas até ao trono de Safira.

E quando romper a manhã, nos encontraremos ante o mar de vidro, cantando com a hoste dos remidos: “Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos”!

“E outra vez disseram: Aleluia.” (Ap 19.3.)

Será meu canto eterno ali: “Jesus guiou-me até aqui.”

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no GDrive.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, Twitter, Facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

 

Que tal receber um aviso quando sair algo novo e interessante no blog?

Cadastre seu email e receba artigos que vão abençoar seu dia!