Arquivo da categoria: Temas Polêmicos

A Ratoeira do Voto Ideológico Político-Partidário

voto amarrado

A Ratoeira do Voto Ideológico Político-Partidário

Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; (ênfases acrescidas, verso ilustrativo)

Colossenses 2:8

Uma Breve Introdução e Alerta: o texto é enorme (risos)

O Brasil, como nação democrática, ainda engatinha, seja pelo extenso período sob o domínio da Coroa Portuguesa, seja pela saída recente do período da Ditadura Militar que, na opinião de muitos, manchou a história brasileira. Como eu era muito criança para compreender esse período, não vou emitir juízo de valor sobre essa época complexa.

Além do mais, também desconheço toda a história, inclusive bastidores, contexto histórico-cultural, etc. Mas, o que posso dizer é que minhas lembranças de infância não corroborem essa visão de “período de chumbo“. Claro, tenho ciência de que, aos olhos infantis, nem tudo é realmente aquilo que aparenta ser.

Agora, uma coisa que me causa certa estranheza é ver que aqueles que condenam de forma tão veemente a ditadura militar muitas vezes agem da mesma maneira, ou até pior. Tomemos como exemplo o plebiscito do desarmamento (na verdade, referendo. Valeu, Valmir!), que foi rechaçado por 2/3 da população (66%). Mas, mesmo diante de derrota tão fragorosa, o governo não se dá por satisfeito (ou vencido, vai saber). E, a qualquer pretexto, traz o assunto à tona, como foi o caso da tragédia de Realengo.

O então Ministro da Educação, Fernando Haddad (aquele do problENEM e que queria aprovar o kit gay a fórceps, virtual pré-candidato à prefeitura de São Paulo) foi todo serelepe botar a culpa da tragédia na população armada, como se o desarmamento da população resolvesse o problema da violência urbana com uma simples canetada. Ora, se o intuito é resolver, de verdade, o problema da violência nas grandes cidades (São Paulo, alô), que apresentem propostas decentes e eficazes, e não esse blá-blá-blá nauseabundo.

E onde se encaixa o desarmamento dentro dessa ratoeira? É o que tentaremos demonstrar a seguir.

A Verdade Oculta sobre o Voto Partidário

Como todos os meus raros leitores do blog sabem, estive na 14ª VINACC, em Campina Grande/PB, e nela assisti uma palestra do prof. Uziel Santana, autor do livro “Um cristão do Direito num país torto“.

professor uziel

O livro, apesar de se utilizar de linguagem jurídica técnica, até mesmo recorrendo a expressões em latim (veja bem: “eu não sou cachorro não”… risos), é bem escrito e de fácil compreensão. Aliás, eu recomendo a todos os cristãos que militam ou, de alguma forma, têm algum tipo de relacionamento na área jurídica que o adquiram, pois vale a pena.

Voltando: Em sua palestra, o prof. Uziel fez menção a um texto seu de 2010, publicado no livro, intitulado “ELEIÇÕES 2010 e uma verdade oculta“, no qual discorre sobre as implicações da Resolução TSE 22.733/2008, que trata da (in)Fidelidade Partidária.

Abro parêntesis: não é irônico, e até seria cômico se não fosse trágico, que uma decisão sobre a fidelidade dos parlamentares brasileiros (que, pra ser sincero, eu nem sabia que existia ou que forma tinha) seja capaz de tornar a política nacional pior do que já é, para nós cristãos? Fecho parêntesis.

Pois bem, o que me chamou a atenção foi ele dizer, em alto e bom som (pois o microfone estava bem modulado… risos) que, a partir da citada resolução do TSE, a forma como votamos não mudou, mas a sistemática da eleição sim. Viajou? Pois é… eu também. Mas, o que mudou mesmo?

Mudou que, agora, não votamos mais em candidatos, mas sim em partidos. Como assim, Bial? Talvez os mais velhos experientes se lembrem do voto de legenda, que é aquele onde se escolhe apenas o partido, sem importar qual candidato, o que é, EMHO, em última análise, um atentado à democracia representativa.

Nas próprias palavras do autor (colei descaradamente… risos):

“… tal resolução ter instituído o antidemocrático fenômeno da despersonalização e ideologização do voto, de tal modo que, a partir disso, nosso direito de escolher pessoas pelo seu caráter, moral, valores e conduta, quedou juridicamente derrogado”, (p. 313)

O autor traz à tona uma constatação interessante, de que estamos vivendo, no Brasil, um processo de judicialização do poder constituinte originário. O que seria isso? Em outras palavras, é o poder judiciário legislando. E é muito, mas muito fácil de entender isso: se o casamento homossexual não passa no Congresso, por falta de consenso, a via jurídica é acionada e, com o aval de uma decisão judicial, fica sancionada a prática. Mesmo sem base legal ou constitucional que a suporte. A justificativa? A omissão do legislador. Foi assim também com a questão da adoção de crianças por duplas homossexuais, lembra?

Pergunto: houve omissão ou falta de consenso entre os parlamentares para legislarem sobre tal prática? E se agora toda omissão de fato (quando ainda não existe consenso decisório sobre o tema) for considerada como se fosse omissão de direito (quando não existe sequer discussão sobre o tema), aonde vamos chegar?

Break: Onde estão, agora, os críticos que criticavam e denunciavam o Executivo quando esse praticamente governava o país na base de medidas provisórias?

Ora, se é para decidir as coisas com base em decisão judicial quando inexiste lei, vamos banir o concurso público para juiz e estabelecer eleição para o cargo! Vamos, também, demitir os atuais juízes que “apenas” julgam e não “legislam” do alto de suas togas…Bem, nem vou dizer que também poderíamos fechar o Congresso e expulsar os políticos, vai que a moda pega !

Entenda: juiz não legisla, NÃO LE-GIS-LA, ora bolas! Será que é muito complicado entender isso? Vamos, então, reeditar o Poder Moderador dos tempos do Império? Aos aficcionados em quadrinhos, questiono o fato no melhor estilo “Who watches the watchmen“, traduzindo como “Quem vigia os vigilantes“?

watchmen
Quem vigia os vigilantes?

Sr. juiz (ou aspirante a) que estiver lendo meu artigo: o sr. quer legislar? Então se candidate, concorra às eleições (mas, não compre votos) e submeta suas ideias ao processo democrático. Se o sr. for aprovado no teste das urnas, então vamos ver se suas ideias subsistem no plenário que, mesmo com todas as mazelas existentes, ainda é o que mais se aproxima de uma representação democrática da vontade popular. Simples assim.

Hoje, a despeito de uma classe não ter apoio normativo (leis que tratam expressamente do assunto) para sua causa, se a sociedade e o Poder Judiciário estiverem sensíveis e abertos ao tema, a dificuldade (ausência de legislação) é perfeitamente possível de ser contornada utilizando-se da via jurídica. Quer outro exemplo? Juízes autorizam aborto de feto anencéfalo ANTES de o STF decidir a questão.

Isso não seria passar por cima das leis, mesmo daquelas que ainda não existem? Isso não representa, questiono, uma subversão do processo democrático e uma usurpação, pelo Judiciário, do poder legislador? Agora, minha crítica aos legisladores: por que Vossas Incoerências não se posicionam logo sobre vários temas sensíveis, e permitem essa balbúrdia? Falta de tempo? Para aprovar aumento no miserável salário que vocês ganham, logo acham um tempinho e são bem ligeirinhos ?

Implicações Práticas da Resolução do TSE

É bastante provável que você não tenha entendido lhufas dessa coisa toda de votar em partido e não mais em candidato após a resolução do TSE, acertei? Ok, mas não se deprima desespere, porque eu também não consegui entender de primeira. Não fosse o prof. Uziel ter desenhado explicado para mim, ainda estaria eu boiando feito cortiça na lagoa.

Então, para auxiliá-lo nesse entendimento vamos desenhar, digo ilustrar (risos) o assunto, pois, como dizia um professor meu de Física, “a teoria, na prática, é outra“.

Novamente, tomo por empréstimo as palavras do prof. Uziel, copiadas extraídas de seu livro:

“… tal sistematização jurídico-normativa […] implica numa obrigatória tomada de consciência do eleitor de que, se o mandato eletivo pertence ao partido e coligação e não ao ‘seu’ candidato preferido, isso significa que, ao votar, ele deve tomar em consideração as ideologias programáticas do partido e coligação a que estão vinculados os seus candidatos”, p. 317

Ainda não entendeu? Eu explico. Ou melhor, o prof. Uziel explica (risos):

“… digamos que sou eleitor, com valores cristãos, defendo a vida, sou contra o aborto, defendo a família, sou contra o ‘casamento’ homossexual, sou a favor da liberdade de imprensa, da liberdade de expressão, da liberdade culto (e etc.), então, identifico um candidato que tem este mesmo perfil ideológico e resolvo, assim, votar nele.

Uma vez eleito, quando o ‘meu’ político preferido [de acordo com minhas preferências pessoais – comentário meu] começa a exercer o seu mandato eletivo, o partido ou coligação, ao qual ele está programaticamente vinculado, determina, que, nos aludidos temas que citei, ele vote sempre de acordo com a determinação partidária que, neste exemplo, é contrária aos valores cristãos e às liberdades civis.

Se o político eleito, assim, não vota de acordo com o partido, ele pode vir a ser expulso da sigla partidária por infidelidade, nos termos da Resolução do TSE, anteriormente comentada, porque desrespeitou o programa do partido [ao qual ele concordou prévia e tacitamente, mesmo sem saber, ao se filiar – comentário meu].

E aí, o grande efeito: ele é expulso e fica sem mandato [e sem partido], porque o mandato é do partido. Eu, eleitor que votei nele por afinidade ideológica, fico sem representação. Este é um dos grandes perigos desta nova sistemática do processo eleitoral brasileiro.”, p. 317 e 318

Entendeu agora ou quer que eu desenhe (risos)? Isso significa que o político eleito que tem minha preferência por defender os mesmos ideais que eu, e por isso mesmo que o escolhi para me representar, mas se for de um partido que se opõe aos valores que defendo (cristãos), esse político vai ficar em uma sinuca de bico:

  1. Se votar de acordo com sua consciência, corre o risco de perder o mandato e não poder mais atuar como representante democraticamente eleito.
  2. Se ele, todavia, optar por não correr o risco de perder o mandato, fica obrigado a atuar em contradição a suas convicções pessoais e também contra a confiança daqueles que o elegeram, como eu.
beco sem saida
Entrada para um beco sem saída…

Isso é justo com quem o elegeu e esperava dele uma atuação engajada em defender os valores morais que ele acredita?

Assim, se você vir um candidato de um partido com plataforma de governo contrária aos interesses cristãos pedindo votos a cristãos, das duas uma: ou ele está enganando ou está sendo enganado (inocente útil), pois mesmo que queira, não poderá agir contra os interesses do partido ao qual está ligado, sob risco de expulsão.

Agora, a cereja do bolo, e é justamente aqui que entra nossa responsabilidade como blogueiros in+formadores de opinião: isso não está sendo divulgado na grande mídia, quem dera esclarecido! Você, agora sabedor dessa verdade, e das consequências disso, pode levar isso adiante (ecoar) para aqueles que ignoram o atual sistema eleitoral vigente. Pelo menos não mais votarão enganados ou, se errarem, errarão conscientemente.

Talvez a pergunta que você esteja se fazendo seja: de quais partidos estamos falando – ou deixando de falar? Boa pergunta, e vou tentar responder da forma mais sincera possível a seguir.

Partidos, Candidatos e Votos – Uma Escolha Delicada

A parte mais delicada de tudo isso vem agora, justamente porque serei exaltado por uns e escrachado por outros, mas é impossível ficar calado diante do que falamos acima. Recentemente, li uma frase que me deixou pensativo, e talvez até mesmo preparado para o que há de vir: “quem diz verdades perde amizades”, de Tomás de Aquino.

Se por um lado eu não tenho muitos amigos a perder, porque sou uma pessoa de poucos amigos (risos), por outro, qualquer perda representará um percentual elevado em meu [micro]universo de amizades… enfim…

Voltando ao ensaio do prof. Uziel, ele assevera que, tendo em vista a nova sistemática eleitoral em vigor, exige-se do eleitor uma conscientização da ideologia e programa de governo por trás do partido ao qual o candidato está atrelado. Isso em razão de o mandato pertencer, desde a citada Resolução do TSE, ao partido e não mais ao candidato.

escolhas delicadas
escolhas: delicadas decisões, porém necessárias

Para ilustrar isso (a aplicação da Resolução do TSE) de forma prática, vou reavivar um evento que até chegou a causar certa repercussão, mas depois caiu no esquecimento, como quase tudo aqui neste país: a [quase] expulsão dos dep. petistas Henrique Afonso (AC) e Luís Bassuma (BA), porque eles tiveram a ousadia de defenderem o direito à vida dos bebês em gestação, ou seja, votaram contra o aborto, contrariando as orientações do partido.

Com a Resolução do TSE em voga, os deputados rebeldes foram gentilmente convidados a se desfiliar do partido, mas poderiam ter sido expulsos e terem seus mandatos reivindicados pelo PT. Na verdade, a intenção original era essa (a expulsão), mas – talvez por receio da reação negativa da sociedade, tão próximo das eleições, a iniciativa foi… digamos, abortada (pois é, não resisti ao trocadilho… risos).

O assunto até que rendeu e foi tema de um post no blog do conhecido articulista Reinaldo Azevedo. Ele, com seu costumeiro tom ácido-crítico, levantou pontos interessantes sobre a ética petista e seus usos contra amigos e inimigos. Para aqueles que duvidam que a intenção original era a expulsão e consequente reivindicação do mandato pelo partido, recomendo que você leia este post, onde está bem documentado o contexto da história:

Site do Partido dos Trabalhadores (PT) esconde página sobre punição de deputados contrários ao aborto

Se você ainda tem alguma dúvida, que tal lermos alguns trechos mais explícitos? Extraído diretamente de um site do PT:

Foi com satisfação que recebemos a notícia de que a Comissão Executiva Nacional do PT acatou o pedido da Secretaria Nacional de Mulheres do partido, apoiado pela Secretaria Nacional sobre a Mulher Trabalhadora da CUT, e vai avaliar as posturas e procedimentos de dois deputados federais – Luís Bassuma (BA) e Henrique Afonso (AC) – em comissão de ética.

Os dois parlamentares há muito tempo afrontam a resolução partidária, ratificada pelo 3º Congresso do PT, de defesa da descriminalização do aborto e a regulamentação da prática nas unidades do SUS (Sistema Único de Saúde). A primeira vez que o PT fechou posição quanto à legalização do aborto foi ao longo do debate interno para a Constituinte, em 1987.

[…]

Queremos que se aplique uma punição adequada a quem contraria abertamente, mas não mais impunemente, definições políticas do partido. Um mandato parlamentar não é propriedade daquele que o exerce. O mandato do Bassuma ou o do Henrique Afonso é, também, um instrumento do partido, e se utilizar dele para, exatamente, contrariar posicionamentos políticos do PT é, no mínimo, um erro a ser avaliado em comissão de ética. (grifos acrescentados)

Fonte: Uma vitória das feministas do PT (acesso em 04/02/2012, às 21:45. E, para o caso de também excluírem essa página do site, eu já salvei um print… O seguro morreu de velho! risos). UPDATE: tiraram a página do ar, mas os prints estão aqui.

texto censurado
(clique que amplia)

Outra parte citada:

texto censurado 2
a outra parte citada no post (amplia)

Como frisou o Reinaldo Azevedo: um estranho tipo de ética essa, que pune quem defende seres inocentes e incapazes de se defenderem (os bebês em gestação)… Bem, será que é necessário acrescentar algo mais? Como bem disse o prof. Uziel:

“não posso votar em partidos de programas fechados, […] como é o caso do PT, do PCB e do PV. Por qual razão? Além de promoverem valores anticristãos, […] todos os políticos membros desses partidos devem atuar, apoiando, promovendo e votando as ideologias partidárias, não importando a liberdade de consciência dos mandatários eleitos”, p. 323 e 324 (com adaptações).

Em um contexto mais recente, o ex-ministro José Dirceu voltou à carga contra os evangélicos que discutem esses temas caros ao PT (aborto, homossexualismo, etc.), tachando-nos de pessoas que atrasam a democracia. Ora, o tema já está tão sedimentado e sob consenso que nem discussão mais cabe? E, se queremos discutir o assunto, somos retardados retrógrados?

Quer dizer que eles podem discutir o que acham pertinente, mas nós devemos nos calar, engolir em seco e aceitar passivamente o que eles consideram como verdade inquestionável? Não consigo captar essa lógica deles, que deve ser igual à ética que eles defendem: “aos amigos, as benesses da lei; aos inimigos, os rigores da lei”!

A presidente Dilma, mesmo assinando um documento, antes das eleições de 2010, no qual se comprometeu com várias lideranças evangélicas a não levar adiante adiante projetos ou iniciativas que promovessem o aborto, nomeou como ministra da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres a conhecida militante pró-aborto Eleonora Menicucci. Percebe como é virtualmente im-pos-sí-vel contrariar as diretrizes do partido? E olhe que não foi qualquer político sofrendo uma “pressãozinha básica”. Entendeu agora o que significa “programa fechado de governo”? 

Sentiu o drama? Oh, e agora, quem poderá nos socorrer? Não, não será o Chapolin Colorado, pois ele é vermelho…

Considerações Sobre o Voto Partidário

Uma coisa precisa ser dita sobre a ideologização do voto: os partidos têm sim o direito delinearem seu programa de governo e suas políticas públicas de acordo com o que acham correto. Por mais que eu discorde das teses defendidas, não me oponho ao direito deles defenderem seus pontos de vista, pois faz parte do jogo democrático. Entretanto, o que acho desonesto é eles defenderem uma coisa e não deixarem isso bem claro aos eleitores.

Por exemplo, se eles forem a uma igreja, por que não deixam claro que vão lutar pela descriminalização do aborto, da criminalização da homofobia, etc? Por que apresentam um discurso quando, na prática, a banda toca outra música? Por que lançam candidatos [cristãos] contrários ao aborto, que recebem votos de eleitores igualmente contrários à prática (para ilustrar com um exemplo), e quando esses parlamentares votam contra projetos pró-aborto são censurados e punidos?

Ora, então por que então acolher esses políticos em seu rol? Para que eles obtenham um mandato (ou votos para o quociente eleitoral) e depois expulsá-los e o partido poder dar livre prosseguimento às suas políticas abortistas? E eu fico a refletir: por que um político contrário ao aborto aceita sair candidato por um partido que tem o aborto como sua bandeira de governo? Parece que há algo muito errado em nosso sistema político, já que essa promiscuidade infesta partidos de cabo a rabo direita a esquerda.

Cabe esclarecer que não tenho preferências por partidos. Embora minha juventude na escola secundária (no século passado tinha outro nome… risos) e universidade tenha sido abertamente de esquerda, não nutro maiores afetos por partido algum, e minha crítica está na ausência de liberdade para votar de acordo com a consciência individual (no caso desses partidos de programas fechados).

Eu não tenho qualquer ilusão de que este simples artigo possa mudar algo nos rumos eleitorais do país, mas não consegui ficar calado. Eu não deposito minha confiança em partidos, muito menos nos políticos, mas sim em Deus, que a tudo rege e governa. Mas, senti como se pesasse sobre mim a tarefa de escrever algo que pudesse servir de alerta sobre as estratégias que estão em curso e que muitos ainda ignoram.

credulo
você é o sujeito dessa oração?

A Realidade de Nossas Escolhas

Eu também não quero aqui determinar em qual partido você deve votar ou deixar de votar. Não, não é isso. Apesar de eu ter deixado bem claro que o PT (entre outros) tem diretrizes que vão de encontro as minhas convicções cristãs, e por isso eu vou me abster de apoiá-lo, não estou sendo taxativo, tipo: NÃO VOTE NO PT, como fizeram em 2010 o Pr. Paschoal Piragine Jr. e o Rev. Ageu, e até mesmo alguns sacerdotes da igreja católica. Estou dizendo que não votarei, mas você tem todo direito de escolha.

Para ser franco, eu gostaria de ter a liberdade de poder votar em um político do PT. Quando Luís Bassuma e Henrique Afonso ainda faziam parte de suas fileiras, eram considerados representantes políticos acima da média, tanto pela atuação política como pelo engajamento ao partido. Todavia, ao expulsá-los, eu (como eleitor) também fui expulso com eles, pois eles seriam possíveis candidatos, a depender de um exame mais acurado. Se o PT restringe a liberdade de atuação, conforme a consciência de seus representantes, está também, automaticamente, restringindo minha liberdade de votar em seus candidatos.

O PT tem propostas razoáveis em algumas áreas, não tenho receio em dizer. Entretanto, eu não posso me sujeitar a aceitar um pacote fechado onde uma parte que me atrai vai me obrigar a aceitar outra que me causa repulsa. Seria como se eu, para concordar com alguém, tivesse que avalizar tudo o que ele diz ou faz. E isso é totalmente irreal e irracional.

Veja bem, você que está lendo este texto: pode ser que você concorde com várias coisas que eu falei, mas discorda de outras, e isso é perfeitamente natural e compreensível. Agora imagine minha insanidade se eu EXIGISSE que todos os meus leitores concordassem com tudo o que escrevo. Ora, eu escrevo textos motivacionais (que são os mais bem aceitos), dicas para concursos e reflexões sobre o cotidiano (como esta, p.ex.), mas sei que devem ser bem poucos os que aprovam as 3 áreas que escrevo.

Na maior parte, uns gostam de um tema, outros de outro, alguns poucos gostam de mais de um assunto, é normal. Observe agora como seria injusto, de minha parte, com meus leitores, se eu os obrigasse a avalizar minhas reflexões sobre a vida para terem acesso às dicas grátis para concursos. Percebeu a injustiça e incoerência da medida? Eu até que poderia, mas jamais faria isso.

Use sua liberdade e vote com consciência

Se você estiver pensando que, a partir disso, farei campanha pelo PSDB (por ex.), sinto decepcioná-lo. Como eu poderia avalizar, sem ressalvas, um partido que tem como um de seus principais pensadores alguém que defende a descriminalização das drogas? A diferença aqui, em relação ao PT, é que um político eleito pelo PSDB não será obrigado a levar adiante a baboseira do velho gagá FHC. Pelo menos eu vou poder escolher o candidato por suas idéias e ideais, a despeito do partido que ele integra.

Meu objetivo maior, então, é conscientizar, não direcionar. Minha intenção é demonstrar como está sendo feita a coisa, colocar as coisas em pratos limpos (e os pratos na mesa… risos) e, sabedores disso, os eleitores que tomem suas decisões. Porque, afinal, não existe uma receita infalível para se tomar decisões certas. Se alguns partidos não permitem que seus candidatos usem sua consciência, está mais do que claro que os eleitores é quem devem usar a sua (consciência antes de votar)!

Logo, use a cabeça antes de votar, para não ficar chorando o leite derramado voto errado depois!

Esclarecimento

Este artigo foi escrito para trazer à tona um assunto importante para o futuro da nação, porém até agora negligenciado ou passando despercebido pela maioria, como bem observou o prof. Uziel (p. 313):

“apesar de a resolução ser de 2008, não encontrei um só artigo no contexto católico ou evangélico comentando as consequências dessa resolução”.

Desta maneira, estou dando o pontapé inicial para que outros textos – preferencialmente MENORES (rá!) – sejam escritos, e a discussão venha a lume. Portanto, incito você, caro leitor, a colocar a mão na massa no mouse (risos) e produzir um texto que explore as lacunas que deixei em aberto. Boa escrita!

Referências e fontes como links no texto. Cópias autorizadas, desde que preservem o texto original e citem a fonte: Blog Desafiando Limites.

Querendo, avalie, comente ou compartilhe. E Curta nossa página no Facebook: Desafiando Limites!

Que o Senhor nos abençoe.

Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o SENHOR, e o povo ao qual escolheu para sua herança.

Salmos 33:12

     

http://about.me/desafiandolimites

“Não desista de seus sonhos”

Tudo posso naquele que me fortalece – Fp 4.13

 

Cristofobia: mas que diabos é isso?

cristaos perseguidos
negam o Senhor que os salvou

Ontem replicamos um post interessante do professor e jurista Ives Gandra, falando sobre o crescimento da cristofobia (ou cristianofobia) no mundo, e que vale a pena ser lido. Agora, pesquisando um pouco mais, é possível encontrarmos outros textos igualmente interessantes sobre o termo, que parece começar a chamar a atenção da mídia.

Cristofobia (existe isso mesmo)?

Sandra Paulsen, no blog do Noblat

Em diversos artigos publicados na imprensa local, há um par de anos, discutia-se a cristofobia, definida como a perseguição de cristãos na Suécia. Cristãos seriam fundamentalistas e culpados pelos pecados cometidos em nome de sua fé, ao longo de séculos. São aqueles contra a modernidade, o aborto, as pesquisas com células-tronco. São os símbolos do atraso e da falta de sincronia com o mundo atual. Pessoas menos dotadas, enfim.

Para tomar como exemplo uma questão muito na moda, sobre a qual, aliás, tenho que contar em algum texto futuro, discute-se, no momento, a possibilidade de casamentos homossexuais serem celebrados pela Igreja Sueca. A existência da discussão, com a clara divisão entre os pastores a favor e contra, é citada como um exemplo do que seria a discriminação das igrejas cristãs contra pessoas, baseada na sua identidade sexual.

Mas, alguém perguntava, então, por que será que ninguém pede a celebração de casamentos de pessoas do mesmo sexo nas mesquitas e nas sinagogas?

Aqui, no país do “politicamente correto”, não se fala nada em público contra muçulmanos ou judeus e suas crenças, por exemplo. Discutir religião é visto como “de mau gosto”. Não se discutem o jejum durante o Ramadan ou a recusa ao consumo de carne suína por motivos religiosos. Mas, considera-se ridículo não fazer um churrasco no feriado, “só porque” é sexta-feira da Semana Santa. Coisa de fundamentalista, é claro “!”.

Desenhos publicados na Dinamarca levaram a protestos em todo o Islã. Quem comenta qualquer coisa com relação aos judeus, aqui, só pode ser um nazista que ignora o Holocausto. Mas, falar mal de cristão não representa problema algum.

A gota d’água, que fez o copo transbordar, parece ter sido a crítica pela existência de exemplares da Bíblia, nos quartos dos hotéis de Estocolmo. Alguém, alegando que se sentia constrangido pela presença da Bíblia na gaveta da sua mesinha de cabeceira, solicitou sua retirada. E uma cadeia de hotéis “moderna” aproveitou a deixa para fazer o anúncio de que, a partir daquele momento, não haveria mais “problema”. O livro constrangedor seria retirado de circulação”!”.

A reação não tardou a chegar, com cartas e mais cartas às redações, protestando. Filmes de pornografia disponíveis em circuito interno de TV não ofendem ninguém, tudo bem! Mas “aquele livro”!?

Imagino que seja por essas e outras razões que tenha surgido a ideia da Manifestação por Jesus (Jesusmanifestationen).

No dia 3 de maio de 2008, pela primeira vez, milhares de moradores de Estocolmo saíram às ruas para, em missas, orações, cânticos, cerimônias e palestras, demonstrar sua fé cristã. Em praças e jardins, reuniram-se cristãos suecos e imigrantes, para anunciar as mensagens de Jesus Cristo, em cerca de 20 idiomas diferentes.

Não me pergunte a razão, não me lembro o porquê, mas não estive lá! Perdi a chance? Não.

Neste sábado, 2 de maio de 2009, foi a segunda Manifestação por Jesus em Estocolmo.

Desde cedo, nas diversas praças da cidade, diferentes líderes das mais diversas igrejas cristãs foram os anfitriões. Os católicos nos reunimos na Mynttorget, na cidade antiga, Gamla Stan. Dali, fizemos a caminhada a Kungsträdgården. No Jardim Real foi a concentração, a partir das três da tarde, de todos os manifestantes vindos dos quatro cantos da cidade.

Estocolmo estava bonita, com toda aquela paz e aquela alegria que vêm do “amai-vos uns aos outros”.

Você perguntará: mas manifestar exatamente o que, cara-pálida?

E eu respondo com Paulo: que não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; que nenhum de nós está sozinho, porque somos um em Cristo Jesus. E que você também é bem-vindo.

Abaixo essa tal de Cristofobia!

Leitora do blog, Sandra Paulsen, casada, mãe de dois filhos, é baiana de Itabuna. Fez mestrado em Economia na UnB. Morou em Santiago do Chile nos anos 90. Vive há quase uma década em Estocolmo, onde concluiu doutorado em Economia Ambiental. Escreve no Blog sempre às segundas e sextas.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

 

Brasil: um país rico de pessoas pobres

Brasil: um país de tolos?

Esta charge do Fred, do site SuperPeru, conseguiu despertar a indignação adormecida dentro de mim:

aposentados
Coisas de gente poderosa sem temor a Deus (amplia)

Isso deve ser motivo de piada internacional:

1. trabalhador honesto, que passa a vida toda contribuindo com impostos e suor para tornar este país viável, quando quer se aposentar, tem que enfrentar uma verdadeira via crucis. Meu pai, acidentado, só conseguiu se aposentar via decisão judicial.

2. juiz pego com a boca na botija, ou com o butim na mão, sabe q punição que recebe? Aposentadoria com proventos integrais! Isso é punição? Punição é a aposentadoria do trabalhador! Onde, em que lugar do mundo é punição você ser aposentado com um salário de mais de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) por mês? ONDE? Ah, sim… aqui no Brasil…

Sabe o que isso significa? Que o Congresso (legisladores) e o Judiciário estão dizendo, em outras palavras, à população: quem é trouxa vai trabalhar, quem é esperto, rouba e, se for pego, ainda sai no lucro. O ditado popular “rico não vai preso” está se tornando cada vez mais presente, principalmente quando os bandidos usam toga!

Mas, eu louvo a Deus que disse que quem tem sede de justiça será farto. Senhor, o Brasil está sedento de justiça verdadeira. Por favor, abra os céus desta nação e faça chover sobre nós justiça de verdade, juízos retos e julgamentos honestos, Senhor!

#indignado

Isso é um total disparate contra o bom senso, um atentado à inteligência e uma afronta aos Céus! Deus tenha misericórdia de nós…

 

Por que devemos orar pelas autoridades?

oração dos santos
orando com fé

Atualização 18/06/2013: O Brasil está sendo tomado por manifestações quase diárias, envolvendo jovens e adultos, protestando por um país melhor e menos desigual e corrupto. Este post, escrito há quase dois anos, está sendo bastante acessado por pessoas que querem saber como a igreja deve se comportar diante desse novo cenário. Nós, como igreja, não podemos perder o timing profético e nos posicionarmos como voz ativa e atuante. Todavia, nem sempre a voz do povo é a voz de Deus.

Para evitar que nosso país seja tomado de assalto por um grupo que busca apenas seus próprios interesses e garantir privilégios a uma casta seleta, a igreja deve dobrar seus joelhos, colocando a nação e, principalmente, seus governantes nas poderosas mãos do Senhor, de modo que Ele conduza os rumos da nação de acordo com a vontade dEle, arrancando-nos das mãos de homens perversos e desonestos, e capacitando homens e mulheres decentes, competentes e íntegros para administrar e direcionar nossa nação. Caro leitor, somente a mão de Deus pode dar o novo e acertado rumo que nosso país merece e que a sociedade almeja.

Depende de mim e de você clamarmos ao Senhor para que esse movimento não seja apenas mais um fogo de palha e que nos decepcione novamente. Se você sente o mesmo senso de urgência e temor pelo que está acontecendo, ORE. E, por favor, se puder – e quiser – compartilhe este post com outras pessoas igualmente comprometidas com o Senhor, porque “muito pode a súplica do justo em seus efeitos”!

E que Deus nos visite e abençoe nosso Brasil.

Por que devemos orar pelas autoridades?

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens, pelos reis, e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranqüila e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. (ênfases acrescidas)

Hoje fiz mais uma visita ao Congresso Nacional, a casa das leis do Brasil. Uma coisa que chama a atenção é o espelho d’água em volta do sítio legislativo. Chama a atenção a sujeira. Mas, apesar de tão sujo, ainda pude ver vários peixes chafurdando nadando em suas águas turvas.

Aquira o livro digital do blog por apenas 4,99! Clique na figura e contribua com nosso trabalho. Obrigado!  :)
Aquira o livro digital do blog por apenas 4,99! Clique na figura e contribua com nosso trabalho. Obrigado! :)

Uma irmã a quem eu acompanhava e ciceroneava comentou que aquela água representava o resultado ou produto de um banho das suas excrescências excelências. Todavia, pensando bem, eu disse que aquela água, apesar de tão suja, ainda era melhor do que o subproduto de um banho legislatório, e quer saber por quê? Simples: aquelas águas barrentas e lodosas ainda tinham VIDA, e o mesmo não pode ser dito de muitos de nossos representantes políticos. Estão mortos em seus delitos e pecados, e a fedentina de sua indefecável presença é sentida em todo o território nacional.

Quando eu estava na sala da presidência da Câmara, passando tristemente a mão na cadeira em que o ilustre presidente assenta seu  honorável e impoluto derrière, fiquei questionando qual seria a saída para tirar o Brasil deste lamaçal, desse tremedal horrível em que nos metemos. Muito abatido, fui obrigado a reconhecer que não havia saída para o Brasil, visto que a corrupção desenfreada está em todos os níveis, os que comandam os esquemas têm todas as ferramentas em suas mãos e a seus pés. Nós não temos saída, humanamente falando, essa é a triste realidade que nos choca e abate.

Mas, então me lembrei do texto bíblico da exortação de Paulo a Timóteo, e cheguei à conclusão que o Brasil está na situação que está por culpa da igreja. A igreja tem culpa porque não está fazendo a vontade revelada de Deus: orar pelas autoridades. Ao fazer uma afirmação desse porte, estou ciente de que serei questionado e criticado à vontade, mas vou apresentar as razões que balizarão minha conclusão.

1. Orar pelas autoridades é prioridade

Veja só você o que Paulo disse: “antes de tudo” façam-se orações pelos homens, aqueles investidos de autoridade. Mas, hoje, é comum vermos pessoas orando por quem? Por eles mesmos, pedindo não por seus governantes, mas por bênçãos materiais. Esse é o terrível efeito da teologia da prosperidade: amortecer a consciência cristã e diluir os efeitos do evangelho. Se nossas prioridades estão erradas, a culpa é da liderança que, ao invés de ensinar o correto e repreender o erro, deixa os membros embrenharem-se nesse precipício espiritual.

2. Devemos interceder de várias formas

Às vezes, somos tentados a pensar que devemos interceder pelas autoridades de uma única forma, mas isso é um erro banal. Paulo nos orienta a fazer “súplicas, orações, intercessões, e ações de graças“. O que seria súplica? Seria uma petição insistente e confiante na boa vontade do Senhor, uma oração perseverante, cheia de fé e respeito. E a oração? A oração pode ser descrita como uma conversa regular, constante entre o homem e Deus, ou seja, uma prática cotidiana, símbolo de que não podemos parar de orar pelas autoridades. Você tem orado de forma constante pelas autoridades? Se não, está pecando…

Mas, mesmo essas atitudes ainda carecem de complemento: devemos também interceder. E o que é interceder? É colocar-se no lugar do outro, orar como se estivesse no lugar do outro, conhecendo seus problemas e suas necessidades. Devemos interceder por nossas autoridades pedindo ao Senhor que os ajude a vencer seus obstáculos e dificuldades. Pergunte a alguma autoridade se ela precisa de oração e por qual motivo você deve interceder que você estará cumprindo parte de seu papel no Reino.

E, por fim, ações de graças. Confesso: não é fácil agradecer pelos políticos que temos, e alguns deles tornam essa tarefa ainda mais difícil, mas podemos agradecer ao Senhor pelos bons políticos (Jesus, faça com que eles existam, por favor!). Ore e peça que o Senhor lhe mostre por qual autoridade você deve dar graças e por qual motivo, e você verá como se tornará mais fácil louvar ao Senhor pela vida de alguém, ao invés de apenas ficar reclamando e se desanimando sem achar que existe saída.

3. Para termos uma vida tranquila

Tranquilidade advém de vários fatores, mas posso citar um em especial e muito em voga hoje: a tranquilidade financeira. Não é uma grande ironia que a teologia da prosperidade, que vende uma falsa tranquilidade, na verdade traz a intranquilidade? Pois é a mais pura verdade, visto que nos desvia de orar pelas autoridades, para que Deus as abençoe com sabedoria e decisões acertadas que nos livrem de entrarmos em situações calamitosas, vide a crise mundial de 2008.

Muitos especialistas bradavam que as decisões tomadas levariam, inevitavelmente, à crise mundial em breve, todavia, os líderes continuavam a agir de modo temerário e inconsequente, empurrando com a barriga uma situação que não se sustentaria por muito tempo. E deu no que deu. Se a igreja brasileira não orar por seus governantes, a economia nacional pode descambar em bancarrota como já ocorreu nos anos idos, pelas péssimas decisões de governantes pretéritos. Devemos orar pelas autoridades, sem olhar para as cores partidárias, pois para isso fomos chamados.

Eu me lembro que, no começo de 2008, se não me falha a memória, o irmão Jossy comentou na sala dos jovens da escola dominical da sede em Cuiabá, onde morei: “estive recentemente no Nordeste e o Senhor usou uma irmã dizendo que orássemos pelo Brasil, pois havia muitas reuniões em países para saquear este país, roubar nossas riquezas”. É necessário dizer que vemos isso acontecer, na verdade ser desvelado ante nossos olhos?

4. Para termos uma vida com sossego

Sossego não significa “sombra e água fresca” não, você está enganado. Sossego aqui significa segurança. Você já se deu conta que o país inteiro vive uma crise de segurança? A bandidagem está cada vez mais ousada, mais violenta e agindo à luz do dia. As autoridades parecem estar sem saber o que fazer para conter a onda de criminalidade e violência. Mas nós, igreja, sabemos o que devemos fazer. Só que não estamos fazendo, por isso não há sossego!

Estamos vendo bandidos assaltarem, fazerem pouco caso da polícia e sendo filmados como se fosse um filme e eles fossem intocáveis. Vemos magistrados que querem colocar os bandidos na cadeia serem mortos em pleno dia, e outros se deixando intimidar. Igreja, ore! A solução não está nas mãos dos políticos e governantes, está em seus joelhos! Oremos para que Deus nos dê sossego, senão viveremos nesse clima eterno de insegurança e medo. #fato

5. Para podermos viver em santidade

Existem muitas leis, projetos de leis na verdade, tramitando nos corredores do congresso, aquele lugar onde o fosso que o cerca é mais limpo que a fossa, digo sala onde as excelências se reúnem, que intentam tolher a moral e a ética cristã. São iniciativas como as de Marta Suplicy que pretendem que exerçamos nossa fé intramuros, ou seja, apenas dentro dos templos. Ora, mas e sal serve para alguma coisa se ficar apenas DENTRO do saleiro?

Existem outras propostas que pretendem castrar nossa liberdade de anunciar o evangelho, vide aquela decisão judicial que obrigou a retirada de um outdoor com versículos bíblicos que condenam o homossexualismo. Existem países onde não se pode viver e expressar abertamente sua fé em Cristo, notadamente aqueles muçulmanos e os de ideologia marxista. Se nós não orarmos hoje, talvez não possamos praticar nossa fé em público no futuro, ou seja, viver uma vida piedosa, segundo a Palavra de Deus. Ore pelas autoridades, se você quiser que seus filhos possam viver sua fé em Cristo livremente.

6. Para que possamos viver honestamente

Como trabalho em um órgão de controle (auditoria), é com tristeza que vejo nosso país mergulhado nesse mar de lama e corrupção. Às vezes, não sei se fico revoltado, se fico deprimido, se choro ou grito ao ver tantos bandidos se empanturrando de recursos públicos e rindo da população arrotando impunidade. Mas, a solução não é se indignar (apenas), se revoltar, ficar deprimido, chorando ou gritando feito louco. A solução é orar.

O Brasil é um país muito rico, muito mal administrado e muito bem roubado. Precisamos mudar esse quadro, mas não são os caras-pintadas que derrubaram o Collor – que, aliás, está de volta – que vão dar jeito nessa onda de corrupção que varre o dinheiro público para debaixo do tapete dos larápios. A solução está nas súplicas, orações, intercessões e ações de graças dos santos. Se nós orarmos, Deus vai mover céus e terra e vai nos tirar desse beco sem saída. Deus faz, mas está faltando nós fazermos nossa parte.

7. Porque Deus se agrada disso

Precisamos orar por nossas autoridades porque estaremos fazendo a vontade de Deus e agradando-o. Ao não orar pelas autoridades, você está desobedecendo a Deus e pecando, além de O estar desagradando. Já havia parado parado para pensar nisso, sabichão? Talvez você não goste das “balaústres otoridades” pelas quais Deus lhe chamou para orar, mas isso tudo é uma questão de ser objetivo e obediente: você vai fazer a vontade de Deus ou não?

Temos que entender e acreditar em algo bem simples: que nossa oração tem valor e que Deus faz questão de ouvi-la, principalmente no que diz respeito àquelas feitas pelas autoridades. Você já havia parado para refletir que sua oração pode mudar os rumos de uma cidade, região ou mesmo de uma nação? Pois comece a pensar, e talvez esteja faltando apenas Deus ouvir as suas para começar a agir em favor do povo pelo qual você foi convocado pelo Senhor a interceder.

8. Para que mais pessoas sejam salvas e libertas

Aposto que você nunca pensou nisso, não é mesmo? Deixar de orar pelas autoridades prejudica o avanço do evangelho e, consequentemente, da conversão de almas. Você já parou para se perguntar por que, muitas vezes, pesados investimentos e iniciativas evangelísticas bem planejadas não obtiveram o sucesso previsto? Às vezes, foi a decisão de uma autoridade que colocou todo o trabalho a perder. E por quê? Talvez tenha faltado oração por ela… #triste_realidade

Nós precisamos acordar e despertar a igreja a orar pelas autoridades, e não é nada difícil fazer isso, senão observe.

Qualquer um de nós pode fazer uma simples tabela com uma autoridade por dia da semana para interceder por ela: domingo pelo(a) presidente, segunda pelo(a) governador(a), terça pelos senadores, quarta pelos deputados federais, quinta pelos deputados estaduais, sexta pelo(a) prefeito(a) e sábado pelos vereadores. É apenas uma sugestão, e você pode adaptá-la a seu gosto e critério, o importante é que você ore.

Talvez você ache que deva incluir os juízes, tanto os das instâncias superiores como os das inferiores, os juízes eleitorais. Outros ainda colocariam nessa relação os procuradores e promotores, que apresentam as denúncias para que a justiça julgue. Ainda poderíamos colocar os ministros de Estado, ao orar pelo presidente, e os secretários ao orarmos pelos governadores e prefeitos, e assim substantivamente, como diz um professor meu (risos).

Conclusão

Devemos orar por nossas autoridades, mas orar da forma que Deus quer que oremos.

Quando eu estava para concluir este post, em minha mente pude ver aquela cena de Gideão cercando o arraial midianita com seus soldados. Por meio de Gideão, auxiliado por poucos homens, Deus deu uma grande vitória à nação de Israel, e a nação que pilhava (roubava) Israel foi derrotada. Eu vejo, pelos olhos da fé, Deus levantando intercessores pelas diversas regiões do Brasil, em lugares estratégicos, para orar por nossas autoridades.

Eu posso sentir uma convicção de que Deus vai realizar um grande milagre no Brasil, e está esperando apenas nossa oração para realizar tal obra. Gideão, ao ser chamado, fez poucas coisas, mas com a direção do Senhor, foram mais que suficientes: ele acendeu a candeia, levou um vaso, uma buzina (corneta) e assumiu posições estratégicas ao redor do acampamento inimigo. E fez isso de modo discreto. Você foi convocado pelo Senhor dos exércitos para ser um guerreiro de oração pelo Brasil.

Faça como fez Gideão: acenda sua candeia, quebre seu vaso e toque a buzina bem alto. Tão somente fique na sua posição e veja o rebuliço que Deus vai fazer no arraial inimigo. Deus tem te chamado para fazer diferença, e suas orações serão esse diferencial para colocar o país nos eixos da vontade de Deus. Eu creio nisso, você não crê?

Pode ser que você esteja se perguntando: mas fulano é um grande bandido, e eu ainda vou orar para que Deus o abençoe ainda mais? Você não entendeu o versículo de Paulo. Percebe como a teologia da prosperidade anuvia nosso entendimento? Quer dizer que só existe oração por bênção? Leia de novo os versos e minhas explicações e eu vou dar-lhe um exemplo de como orar, p.ex., pelo(a) presidente:

“Senhor, abençoe nosso(a) presidente, de modo que suas decisões sejam acertadas e a economia de nosso país vá bem (vida tranquila). Abençoe o ministro da Justiça e o das Forças Armadas para que possamos viver em segurança, diminuindo a violência urbana e os assaltos (vida sossegada). Abençoe nosso presidente para que as leis que ele for assinar não venham a nos impedir de pregar a tua Palavra nem restringir nossa liberdade de cultuar o Teu nome publicamente (vida em piedade). Abençoe, Senhor, nossos líderes de modo que a corrupção seja debelada, que os corruptos sejam desmascarados e e presos, e que os juízes julguem corretamente e com justiça, condenando o culpado e livrando o inocente, para que o dinheiro de nossos impostos sejam direcionados à educação, saúde, segurança, etc. (viver com honestidade).

Senhor, eu te peço essas bênçãos por nossas autoridades e governantes para que as pessoas não sejam impedidas de conhecer a tua Palavra, para que elas possam ser tocadas pelo Teu poder e serem libertas pela Verdade e alcançarem a salvação por meio de Jesus Cristo. Em nome de Jesus eu peço. Amém”.

Viu como é fácil orar segundo a vontade do Senhor e aplicando o que Paulo disse à nossa realidade? Ok, agora é a sua vez.

=¬)

Soli Deo gloria.

Por favor, comente, avalie, divulgue, espalhe, republique, mas acima de tudo: ORE!

 

Silas Malafaia detona Edir Macedo #botoupraquebrar

Alguns esclarecimentos necessários:

1. ultimamente eu tenho discordado muito do pr. Silas, principalmente depois que ele se bandeou pros lados da teologia da prosperidade, o maior estelionato espiritual já realizado neste país;

2. minha opinião sobre o Benny Hinn é a mesma que o rev. David Wilkerson (este sim um homem de Deus) tinha: que ele é um falso-profeta. Se o Hinn já foi um dia homem de Deus, hoje já não o é mais;

3. Edir Macedo foi longe demais: foi longe demais extorquindo os fiéis com sua ganância desmedida, com seus projetos megalomaníacos e ridículos, com suas opiniões estapafúrdias sobre o aborto e outras bobagens que saem de sua boca com uma constância e velocidade impressionantes. Precisava mesmo que alguém lhe mostrasse onde é o seu lugar, antes que ele vá para lá em definitivo;

4. sinto pena das pessoas enganadas por ele, pessoas sinceras que financiaram o estabelecimento de programas que fizeram até o podre BBB, a vergonha brasileira, parecer menos ruim do que é na realidade. Estou me referindo àquele programa onde se criam e confinam bichos, tais como burros, bestas, vacas, cabras, bodes, porcos e galinhas. Acho que é na fazenda né? Nessa fazenda só não tem ovelha, mas até lobo deve ter. Eu ia rir, mas é coisa séria, e triste… #fato

Assim, divulgo e até aplaudo a coragem do pr. Silas, a despeito de nossas [sérias] divergências, assino embaixo – mas, não de tudo – do que ele falou, principalmente das podridões da Record. Sim, tem coisa boa lá, mas também tem muita coisa que fede, e a catinga fica mais forte cada vez que o Edir abre a boca.

#chupafalsoprofeta

Desafiando Limites.

 

Lula, o teólogo das bobagens homéricas…

 

não me faça rir...

Isso é o que dá se meter a falar sobre Cristo sem conhecer o Jesus da Bíblia… Agora entendo a proximidade dele com o bispo Macedo. Sabe, acho que ele apenas foi mais sincero do que os pregadores da prosperidade: revelou o que a teologia da prosperidade faz com as pessoas: achar que Jesus é um bobo e o que Ele fala é bobagem, mas quem são os bobos de verdade? Quem ignora Aquele que disse que é a Verdade.

Lula chama de ‘bobagem’ passagem bíblica que promete o paraíso para os pobres

– Bobagem, essa coisa que inventaram que os pobres vão ganhar o reino dos céus. Nós queremos o reino agora, aqui na Terra. Para nós inventaram um slogan que tudo tá no futuro. É mais fácil um camelo passar no fundo de uma agulha do que um rico ir para o céu. O rico já está no céu, aqui. Porque um cara que levanta de manhã todo o dia, come do bom e do melhor, viaja para onde quer, janta do bom e do melhor, passeia, esse já está no céu. Agora o coitado que levanta de manhã, de sol a sol, no cabo de uma enxada, não tem uma maquininha para trabalhar, tem que cavar cada covinha, colocar lá e pisar com pé, depois não tem água para irrigar, quando ele colhe não tem preço. Esse vai pro inferno – discursou, para delírio das cerca de mil pessoas que lotavam o auditório de um hotel de Salvador, onde foi realizado o lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar da Bahia 2011/2012.

O ponto alto do seu discurso de 15 minutos – que seria apenas uma rápida saudação – foi quando resolveu criticar indiretamente o versículo 25, capítulo 18, do Evangelho de São Lucas, a parábola que Jesus fez sobre as dificuldades do rico alcançar o céu e a facilidade do pobre chegar lá (“Porque é mais fácil entrar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus”). Ele insistiu:

– Queremos que todo mundo vá pro céu, agora. Queremos ir pro céu vivo. Não venha pedir para a gente morrer para ir pro céu que a gente quer ficar aqui mesmo – disse. [ênfases acrescidas]

Fonte: O Globo

Esse sabe teologia! Mas, também, com os mestres que tem… Eu até tinha certa simpatia por ele, mas… sinceramente? Ele vai se arrepender muito de ter falado tamanha bobagem.

Divulgação blog Desafiando Limites.