Desafiando Limites e Vencendo Barreiras

Posts motivacionais, inspirativos e opiniao critica construtiva.

23 de Abril – Em meio à angústia

abril 23, 2014 by   Leave a comment
No Gravatar

23 de Abril – Em meio à angústia

    Andando eu no meio da angústia, tu me revivificarás. (Sl 138.7.)

A idéia no hebraico é: “Quando eu estou andando no centro, mesmo, da tribulação…” Como essas palavras descrevem bem a situação! Nosso coração clamou a Deus no meio da angústia; clamamos por suas promessas de libertação, e nenhuma libertação veio; o inimigo continuou oprimindo, até nos encontrarmos no meio da peleja, no centro da tribulação e da angústia. Por que incomodar mais o Mestre?

Quando Marta disse: “Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido”, o Senhor respondeu à sua falta de esperança com mais uma promessa: “Teu irmão há de ressuscitar.” Quando andamos “no centro da tribulação” e somos tentados a pensar como Marta que o tempo do livramento já passou, Ele vem ao nosso encontro também, com uma promessa da Sua Palavra. “Andando eu no meio da angústia, tu me revivificarás”

Embora Sua resposta esteja demorando tanto, embora possa mos ainda continuar “andando” no meio da angústia, o centro da angústia é o lugar onde Ele nos vivifica, não o lugar em que Ele fa lha para conosco.

Quando estamos num lugar sem esperança, esse lugar sem esperança é a ocasião em que Ele estende a mão contra a ira dos nossos inimigos e aperfeiçoa o que nos concerne; é a ocasião em que Ele fará malograr e cessar o ataque. Então, por que desanimar? — Aphra White

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Se eu quiser ser bem-sucedido, o que devo fazer?

abril 23, 2014 by   Leave a comment
No Gravatar

sucess-is-a-journeySucesso é uma jornada, não um destino

Se eu quiser ser bem-sucedido, o que devo fazer?

Já ouvi muitas pessoas perguntando o que fazer para atingir o sucesso, talvez porque alguém me considere uma pessoa que alcançou o sucesso. Não que eu me considere assim, mas digamos que prefiro me ver como alguém – até certo ponto – realizado.

Portanto, para ajudá-lo, eis algumas dicas práticas para que você possa alcançar o sucesso de seus projetos e realizar seus sonhos. pronto? Então, aperte os cintos e lá vamos nós. Lista em ordem alfabética, e não de importância:

  1. aprenda a ser grato mesmo se algo der errado: se existe um tipo de pessoa que nunca é bem-sucedida é aquela que reclama de tudo e de todos. Se quiser vencer, deixe de ser um murmurador crônico.

  2. aprenda a lidar com a dor, sofrimento e fracasso: entenda, até pra você nascer alguém teve que sentir dor. Ela faz parte da vida, bem como seu companheiro de jornada, o sofrimento. Todo vencedor é alguém que sabe entender e aceitar isso.

  3. estabeleça prioridades e foque nos resultados: todo grande vencedor é também uma grande planejador e sabe que é preciso fazer escolhas difíceis e lutar pela realização de seus projetos.

  4. encare a vida com otimismo e boa vontade: não estou dizendo que você seja inocente a ponto de ignorar as dificuldades, mas que tenha fé que é possível superar os desafios e vencer as dificuldades.

  5. estude para se diferenciar dos demais: em um mar de pessoas que se esforçam para imitar umas às outras, quem se destaca é quem tenta ser diferente, então seja diferente por meio de seu conhecimento adquirido.

  6. reconheça em cada dificuldade uma oportunidade: a vida não é fácil pra ninguém, mas as dificuldades trazem embutidas grandes oportunidades, e quem as aproveita tem aquela faísca de vencedor.

  7. seja acessível e generoso com as pessoas: uma característica das pessoas bem-sucedidas a longo prazo é que elas não se isolam das outras pessoas.

  8. supere o medo de tentar, arriscar e ousar: você nunca saberá se é possível vencer se não tentar. Às vezes, arriscar e ousar é o mínimo que você pode fazer, mas com potencial de máximos resultados.

  9. vença o medo de encarar grandes desafios: a princípio, nossa capacidade só pode ser mensurada quando enfrentamos desafios que julgamos grandes demais para nós. Se você quer ser um grande vencedor, aceite os testes que a vida impõe.

  10. una esforço e vontade de superação: existe um ditado muito sábio que reza que o sucesso é resultado de 1% de inspiração e 99% de transpiração. Quer vencer? Então comece a transpirar o tanto que sua inspiração precise para ser posta em prática!

Deus o abençoe, e espero em breve conhecer sua história de conquistas e realizações, ok?

Escrito para o Jornal Expresso, de Jean Souza.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

22 de Abril – Ele conhece o meu caminho

abril 22, 2014 by   Leave a comment
No Gravatar

22 de Abril – Ele conhece o meu caminho

    Ele sabe o meu caminho. (Jó 23.10.)

    Crente! Que gloriosa segurança! Esse seu caminho — talvez torcido, misterioso, emaranhado — esse caminho de provação e lágrimas — Ele o conhece. A fornalha aquecida sete vezes — Ele a acendeu. Há um Guia todo-poderoso conhecendo e dirigindo os nossos passos, seja às águas amargas de Mara, seja ao gozo e refrigério de Elim.

    Aquele caminho, escuro para os egípcios, tem seu pilar de nuvem e fogo para Israel. A fornalha é quente, mas não somente podemos confiar na mão que a acendeu, como também estar seguros de que o fogo está aceso não para consumir, mas para refinar; certos de que, terminado o processo de refinamento (não mais cedo, nem mais tarde), Ele tira para fora o Seu povo, como ouro.

    Quando os Seus pensam que Ele não está tão perto, muitas vezes Ele está ainda mais perto.

    Será que nós conhecemos a visita, em nosso quarto, já com os primeiros raios da manhã, dAquele que é mais fulgente que o esplendor do sol? E conhecemos um olhar cheio de compaixão, que nos acompanha por todo o dia e sabe o nosso caminho?

    O mundo, com seu vocabulário frio, na hora da adversidade fala da “Providência” — “a vontade da Providência” — “os golpes da Providência”. Providência! O que é isso?

    Por que destronar da Sua soberania na terra um Deus que vive e governa? Por que substituir um Jeová pessoal, operante, controlador, por uma abstração inanimada e fúnebre?

    Se encarássemos as grandes provações como Jó o fazia, isso tornaria o sofrimento suportável: nas horas de dor mais profunda, quando toda a esperança terrena se desvanecia a seus pés, ele viu a mão divina, e não outra. Ele viu aquela mão, atrás das espadas dos sabeus; ele a viu, atrás do fogo; ele a viu, atrás do temporal; ele a viu, no terrível silêncio de sua casa saqueada.

    “O Senhor o deu, e o Senhor o tomou; bendito seja o nome do Senhor!”

    Assim, vendo a Deus em tudo, sua fé alcançou o clímax quando este príncipe do deserto, uma vez poderoso, sentou-se sobre a cinza e disse: “Ainda que ele me mate, nele esperarei.”

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

21 de Abril – Plenamente convicto

abril 21, 2014 by   Leave a comment
No Gravatar

21 de Abril – Plenamente convicto

    Estando plenamente convicto de que ele era poderoso para cumprir o que prometera. (Rm 4.21.)

    Lemos que Abraão, embora vendo seu corpo já amortecido, não desanimou, porque não estava olhando para si, mas para o Todo-Poderoso.

    Ele não vacilou ante a promessa, mas ficou firme, e não se deixou esmagar pela grandeza da bênção a ele prometida; e quanto mais as dificuldades surgiam, em vez de fraquejar, ele se fortalecia, robustecendo-se ainda mais; glorificando a Deus por Sua suficiência, e estando “plenamente convicto” de que Ele era não apenas capaz, mas … abundantemente capaz, generosamente capaz, capaz com recursos ilimitados, infinitamente capaz de “cumprir o que prometera”.

    Ele é um Deus de recursos infinitos. Nós é que somos limitados. O nosso pedir, o nosso pensar e o nosso orar são muito pequenos; nossas expectações são muito limitadas. Ele quer elevar-nos a uma noção mais alta e atrair-nos a uma expectação maior e uma apropriação maior dos Seus recursos. Ah, e trataremos a Deus com descaso? Não há limite para o que podemos pedir e esperar do nosso glorioso El-Shaddai; só há uma medida dada para a Sua bênção, e é “segundo o poder que em nós opera”. —A. B. Simpson

    “Suba à casa do tesouro das bênçãos, pela escada feita de promessas divinas. Com uma promessa, como se fosse uma chave, abra a porta das riquezas da graça e favor de Deus.”

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

20 de Abril – Na força do Espírito

abril 20, 2014 by   Leave a comment
No Gravatar

20 de Abril – Na força do Espírito

    Não por força nem por violência, mas pelo meu Espírito diz o Senhor dos Exércitos. (Zc 4.6.)

    O meu caminho seguia por uma ladeira, e bem embaixo vi um menino de bicicleta. Ele pedalava ladeira acima, de encontro ao vento, e evidentemente achava bastante difícil a tarefa. Enquanto ele se esforçava penosamente, apareceu uma camioneta, subindo na mesma direção. Quando ela passou perto dele, o menino pegou-lhe numa alça traseira e lá foi morro acima, como um passarinho. Então acudiu-me um pensamento:

    “Ora, no meu cansaço e fraqueza eu sou como aquele menino de bicicleta. Estou pedalando morro acima, contra todo tipo de oposição, e estou quase liqüidada ante a tarefa. Mas aqui, à mão, está disponível um grande recurso: a força do Senhor Jesus.

    “Tenho simplesmente que tocá-lO e manter comunicação com Ele, embora através de um simples dedo de fé. Isso será o bastante para que eu tenha o Seu poder, na execução deste serviço que está parecendo demais para mim.” Recebi auxílio para vencer o cansaço e compreender esta verdade. — The Life of Fuller Purpose

Tu que tens o nome excelso

De Jesus, o Salvador,

Que morreste, mas que vives

E conosco estás, Senhor,

Oh quão bom é confiar

Sempre, em Ti, e descansar!

 

Tu és Quem, onipotente,

Podes, de cair, guardar

Os meus pés, tão vacilantes

E seguro me levar.

Salvador! Ó meu Jesus,

Guarda-me na Tua luz.

 

Oh que dita conhecer-Te:

Tu, da morte Vencedor!

Aprender de dia em dia,

Como Tu és Salvador!…

 

Mais e mais, Senhor, provar,

Que nos podes Tu salvar!

Faze que na minha vida

Possa, meu Jesus, sentir

Mais do Teu poder imenso,

— Tua vida refletir;

Que se veja em mim, Senhor,

Tua graça, Teu amor.

H.M. Wright

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

19 de Abril – Descanso e livramento

abril 19, 2014 by   Leave a comment
No Gravatar

19 de Abril – Descanso e livramento

    Aquietai-vos e vede o livramento do Senhor. (Êx 14.13.)

    Para o crente que enfrenta grandes dilemas e se encontra em extrema dificuldade, esta é a ordem do Senhor. Quando não pode retirar-se, não pode avançar, está cercado à direita e à esquerda — o que fazer?

    As palavras do Mestre são: “Aquietai-vos.” Em ocasiões assim deveríamos dar ouvidos somente à Palavra do Mestre, pois maus conselheiros hão de vir com as suas sugestões. O desespero nos segreda: “Entregue-se e morra; desista de tudo.” Mas Deus deseja ver-nos revestidos de ânimo e coragem e, mesmo nos tempos mais difíceis, regozijando-nos no Seu amor e fidelidade.

    A covardia diz: “Desista; volte para o mundo; você não pode proceder como cristão; é muito difícil. Abandone esses princípios.”

    Mas por mais que Satanás queira inculcar-nos esse comportamento, nós não poderemos segui-lo, se somos realmente filhos de Deus. O decreto divino nos manda ir de força em força, e nem a morte nem o inferno podem mover-nos de nosso curso. Se por um momento somos chamados a ficar quietos, não será para renovarmos as forças para um avanço maior, em tempo oportuno?

    A nossa precipitação exige: “Faça alguma coisa; mova-se; ficar quieto e esperar é pura indolência.” Nós temos que fazer alguma coisa imediatamente; temos que agir, pensamos, em vez de olhar para o Senhor, que não fará apenas alguma coisa, mas fará tudo.

    A nossa presunção se jacta: “Se o mar estiver diante de você, marche sobre ele e espere um milagre.” Mas a fé não dá ouvidos à presunção, nem ao desespero, nem à covardia, nem à precipitação; ela ouve a voz de Deus, dizendo: “Aquietai-vos”, e ali fica, imóvel como uma rocha.

    “Aquietai-vos” — conservemos a postura do homem reto, pronto para a ação, esperando as ordens que virão, aguardando com ânimo e paciência a voz de comando; e não demorará até que Deus nos diga, tão claramente como Moisés disse ao povo de Israel: marche. — Spurgeon

    Em tempos de incerteza, devemos esperar. Sempre que tivermos qualquer dúvida, esperemos. Não nos precipitemos a agir. Se houver constrangimento em nosso espírito, esperemos até que tudo esteja claro.

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

18 de Abril – Apenas orar, confiar e descansar

abril 18, 2014 by   Leave a comment
No Gravatar

18 de Abril – Apenas orar, confiar e descansar

    E ele o fará. (Sl 37.5.)

    Primeiro eu pensava que, depois de orar, eu devia fazer tudo o que estivesse ao meu alcance para a concretização da resposta. Ele me ensinou um caminho melhor, e mostrou-me que meu esforço próprio sempre atrapalhava a Sua operação; e que quando eu orava e cria definidamente nEle para um determinado fim, Ele queria que eu esperasse em espírito de louvor e só fizesse o que Ele me mandasse. Parece uma coisa tão insegura, simplesmente ficar quieto e não fazer nada, senão confiar no Senhor; às vezes, é tremenda a tentação de tomarmos a batalha em nossas próprias mãos.

    Todos sabemos como é difícil salvar de afogamento uma pessoa que procura ajudar quem a socorre. Assim também, nós impossibilitamos o Senhor de combater os nossos combates, quando insistimos em procurar combatê-los nós mesmos. Não é que Ele não queira, mas não pode. Nossa interferência impede a Sua operação. — C.H.P.

    As forças espirituais não podem operar enquanto as forças terrenas estão em atividade.

    Deus precisa de tempo para responder a orações. Muitas vezes falhamos em dar oportunidade a Deus a este respeito. Leva tempo para Deus colorir uma rosa. Leva tempo para Ele formar um carvalho. Leva tempo para Deus tornar em pão um trigal. Ele toma a terra. Ele a amolece. Ele a enriquece. Ele a umedece com chuvas e orvalho. Ele a aquece com vida. Ele dá a lâmina, a haste, o grão dourado, e então, por fim, o pão para o faminto.

    Tudo isto leva tempo. Por isso nós semeamos, cultivamos, e esperamos, e confiamos, até que seja cumprido o propósito de Deus. Estamos dando uma oportunidade a Ele. A mesma lição se aplica à nossa vida de oração. Deus precisa de tempo para responder à oração. — J. A. M.

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 Page 1 of 133  1  2  3  4  5 » ...  Last » 

Desafiando Limites e Vencendo Barreiras is using WP-Gravatar

UA-18044942-1