18 de Outubro – A demora no cumprimento da promessa

18 de Outubro – A demora no cumprimento da promessa

    Sabe, com certeza, que a tua posteridade será peregrina em terra alheia, … e será afligida por quatrocentos anos. e depois sairão com grandes riquezas. (Gn 15.13,14.)

    Demora e sofrimento são parte certa da bênção que Deus nos prometeu. Uma demora durante a vida de Abraão que parecia tornar impossível o cumprimento da promessa de Deus, foi seguida por uma demora aparentemente insuportável aos descendentes dele. Mas foi apenas uma demora: eles saíram “com grandes riquezas”. A promessa foi cumprida.

    Deus vai me provar por meio de demoras; e com as demoras vem o sofrimento, mas no meio de tudo permanece a promessa de Deus: sua nova aliança comigo em Cristo e Sua inviolável promessa de toda bênção que eu necessitar — por menor que seja. A demora e o sofrimento são parte da bênção prometida. Louvemos o Seu nome por ambos, hoje; esperemos no Senhor com bom ânimo, e Ele fortalecerá o nosso coração. — C. G. Trumbull

Orando, e clamando, e esperando

Estou; entra mês e sai mês…

Não vejo resposta ou vislumbre…

Não sei Seus porquês…

Só sei que a promessa é segura

De que Ele responde à oração!

Ó Pai, a demora me prova.

Sustenta-me a mão!

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

17 de Outubro – Seguindo o exemplo do Cordeiro

17 de Outubro – Seguindo o exemplo do Cordeiro

    Longe de mim esteja gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. (Gl 6.14.)

Eles estavam vivendo para si mesmos; o eu, com suas esperanças, promessas e sonhos, ainda os tinha em suas mãos; mas o Senhor começou a responder a suas orações. Tinham pedido um coração contrito e tinham-se entregado a Deus para que tal coração lhes fosse dado, a qualquer preço; e Ele lhes mandou tristeza; tinham pedido para ser mansos, e lhes partiu o coração; tinham pedido para morrerem para o mundo, e Ele destruiu suas vivas esperanças; tinham pedido para serem feitos semelhantes a Ele, e os colocou na fornalha, sentando-Se junto deles “como refinador e purificador de prata”, até que pudessem refletir a Sua imagem; tinham pedido para tomar a Sua cruz, e quando a estendeu a eles, ela lhes dilacerou as mãos.

Eles estavam pedindo sem saber o que pediam, mas Ele os pegou na palavra e lhes concedeu todas as suas petições. Estavam longe de pensar em segui-lO até tão longe, ou de chegar tão perto dEle. Veio sobre eles um temor, como a Jacó em Betel ou a Elifaz na noite das suas visões, ou aos apóstolos quando pensaram ver um fantasma e não sabiam que era Jesus. Sentiam-se quase como a pedir-Lhe que afastasse deles Sua presença solene.

Achavam mais fácil levar a cruz do que ficar suspensos sobre ela. Mas não podiam voltar atrás, pois tinham chegado perto demais da cruz invisível, e suas virtudes os haviam atingido profundamente. Ele está cumprindo para com eles a promessa: “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo” (Jo 12.32).

E agora chegou a vez de eles serem atraídos. Antes, tinham apenas ouvido falar do mistério, mas agora o sentem. Ele fixou neles Seu olhar de amor, como fez a Maria e a Pedro, e eles não têm outra escolha a não ser segui-lO!

Pouco a pouco, de tempos em tempos; por leves lampejos, o mistério de Sua cruz brilha sobre eles. Eles O contemplam exaltado, contemplam a glória que resplandece das feridas de Sua santa paixão; e à medida que olham, avançam e são transformados na Sua imagem, e Seu Nome brilha através de suas vidas, pois Ele habita neles.

Eles vivem a sós com Ele lá em cima, em inefável comunhão; prontos a não ter o que outros têm (e que eles poderiam ter tido), e a ser diferentes de todos, para que sejam só como Ele.

Assim, eles são, em todas as épocas, os que “seguem o Cordeiro por onde quer que vai”.

Tivessem eles escolhido por si mesmos ou seus amigos por eles, e teriam escolhido de outra forma. Teriam sido mais ilustres aqui. mas menos gloriosos no Reino de Deus. Teriam tido a porção de Ló, não a de Abraão. Se tivessem hesitado em alguma parte — se Deus tivesse retirado de sobre eles a mão deixando-os voltar atrás — o que não teriam perdido? Que detrimentos não haveria na ressurreição?

Mas Ele os conservou em pé, a despeito de si mesmos. Muitas vezes os seus pés bem que teriam escorregado. Na Sua misericórdia, Ele os conservou de pé. Agora, mesmo nesta vida, eles sabem que tudo o que Ele fez foi sempre bem feito. Foi bom sofrer aqui, para poderem reinar ali; suportar a cruz aqui em baixo, para usarem a coroa lá em cima; e para que neles e a respeito deles fosse feita não a sua própria vontade, mas a vontade dEle. — Anônimo

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

4 Atitudes Comprovadas Para Conquistar Seu Espaço e Ser Bem-sucedido

o sucesso é possível

4 Atitudes Comprovadas Para Conquistar Seu Espaço e Ser Bem-sucedido

Às vezes, eu me sinto um pouco contraditório ao escrever sobre motivação, já que ultimamente eu não tenho me sentido muito motivado a escrever textos meus. Mas, recentemente, recebi um incentivo e tanto: uma leitora, Deborah, me cobrou um novo texto, pois me disse que gostava de lê-los. Assim, comovido pela inusitada e inesperada cobrança, me animei a escrever algumas linhas que fossem úteis a quem precisa de motivação para continuar lutando e, finalmente, poder contar vitória.

Preciso ser honesto que este breve post teve inspiração em um blog sobre Economia que leio, o Dinheirama, editado pelo competente e atuante educador financeiro Ricardo Pereira. Clicando aqui você poderá ler seu post original, o qual recomendo enfaticamente sua leitura.

Agora vamos às atitudes necessárias para enfrentar – e vencer – nossas lutas cotidianas, para um dia alcançarmos os objetivos que tanto almejamos. Podemos ir às lições, então? Vamos lá!

1. Não dê tanta atenção ao que os outros pensam de você

Eu, desde muito novo, sempre dei muita bola para o que os outros pensavam de mim, ou seja, era muito inseguro e susceptível à opinião alheia, me deixando levar pela cabeça dos outros com facilidade. Inclusive, isso era regra em meus relacionamentos amorosos, e os prejuízos causados foram muito desagradáveis e constrangedores.

E isso perdurou até que percebi que continuar agindo assim, que pode ser considerado uma falta de atitude, iria me levar ao fracasso certo. Então, tomei a decisão de parar de me preocupar com o que os outros pensavam de mim, afinal isso era problema deles, e não meu.

Posso lhe assegurar que foi uma das melhores coisas que fá fiz, e se eu somar a ela o fato de ter aprendido a dizer NÃO, justamente porque as opiniões alheias deixaram de fazer tanto sentido pra mim, minha vida mudou muito, e para muito melhor.

#dica: quando você se importa com a opinião de quem não se importa com você, sua vida acaba se tornando cativa da vontade alheia. Por isso, não apenas mude seu modo de pensar, mas também seu modo de agir e aprenda a dizer NÃO a quem quer lhe explorar.

2. Crie um método que agilize a tomada de decisões

Esses dias estava conversando com um aluno meu do coaching do Ponto dos Concursos, e comecei a dar dicas de como ele poderia tomar decisões melhores, apenas eliminando as opções mais complexas e trabalhosas, que também são, frequentemente, inócuas.

Exemplo: se você vai tomar uma decisão em que suas chances de ganho são maiores do que de perda, já é um forte indício de que vale a pena tentar. Outro detalhe: se sua situação não vai melhorar ou pode piorar se você não agir, é outro forte indício que o melhor a fazer é arriscar.

Quando eu ainda era concurseiro, antes de ser concursado e professor de estudo para concursos, descobri bem cedo que decidir com rapidez era um diferencial daqueles que figuravam nas primeiras colocações. Todavia, não bastava apenas decidir rápido, mas acertar na escolha! E, para se conseguir isso, o segredo era muito, mas muito treino para deixar a mente ágil e responsiva aos problemas encarados.

#dica: para conseguir decidir com rapidez, arrisque-se! Você não vai conseguir isso de imediato, mas a prática vai levar à perfeição. Palavra de quem já foi bastante indeciso e inseguro até dizer chega.

3. Na dúvida, prefira a solução mais simples

Esta atitude é complemento da anterior e uma das formas de se conseguir decidir com rapidez e com elevado índice de acertos. E qual é a receita milionária? Na dúvida, opte pela solução mais simples, direta e objetiva.

Nesses meus poucos anos de vida e experiência (algumas décadas, mas não pergunte, ok? risos), já me deparei com problemas complexos e situações intimidatórias, não só na vida como nas provas de concursos.

E, por falar em concursos, um dia eu li uma analise de questão de prova que me deu aquele famoso insight: não se assuste com o tamanho do problema, porque, às vezes, a solução pode ser bem mais simples do que aparenta.

#dica: procure eliminar da equação tudo aquilo que é supérfluo e só atrapalha. E isso se consegue focando no que é essencial, como diria o Pequeno Príncipe! Ou melhor dizendo, a raposa… risos. E o que não é essencial, como faço para descobrir e descartar?

É tudo aquilo que não traz impacto significativo na decisão: o famoso “não inflói nem contribói“, o “zero à esquerda”. Elimine isso e sua decisão ficará mais clara, embora isso não queira dizer mais fácil de ser tomada.

4. Esteja disposto a pagar o preço da conquista

Recentemente fui acometido de um problema grave de coluna. Sim, eu sei, é o peso das décadas chegando, embora o problema também tenha a ver com a circunferência abdominal, se é que me entendem…

Consulta médica vai, exame chato vem, resultado sai e lá fui eu fazer fisioterapia e sair do comodismo, ou melhor da ociosidade (sedentarismo seria a palavra, mas como é muito forte, deixei de lado…). E para quem está parado, enferrujado, criando telhas* de aranha, qualquer levantar de pálpebra e mexer de dedo era dolorido (que exagero né)!

Mas, para me ver livre das dores nas costas, pernas e protuberância glútea. Momento confessionário: é mentira, de tanto estudar, sou uma tábua de tanto que fiquei sentado… =¬) Voltando: para voltar a ter uma vida normal, tive que encarar o fato de que para evitar as dores crônicas e prolongadas eu precisaria me submeter a sentir… dores temporárias. Ou seja, alongamentos, fazer força, suar e sentir a musculatura ranger.

#dica: grandes conquistas requerem grandes esforços, renúncia e sacrifícios, por vezes, dolorosos. Não se iluda: a dificuldade de se chegar ao seu alvo vai ser a medida de seu esforço para atingi-lo. Grandes metas exigem grandes esforços e pesados investimentos. Se você não estiver disposto a pagar o preço requerido, é melhor nem perder tempo se iludindo.

Conclusão

São dicas muito práticas, não é verdade? Posso até admitir que não são tão fáceis de serem postas em prática, do dia pra noite. Mas, se você começar a fazer isso hoje mesmo, quanto mais cedo iniciar, mais rápido você conseguirá melhorar seu desempenho em várias áreas de sua vida.

Assim, o que é que custa você tentar? Muito pouco, não é verdade? E o que você tem a ganhar? Muita coisa, estou certo? Então, o que é que está faltando para você parar de hesitar e começar a agir?

Você percebeu que no parágrafo anterior eu utilizei a técnica descrita no item 2? Reduzi as opções àquela mais viável, com o melhor custo x benefício. Aprendeu?

Então ótimo: agora é sua vez de tentar!

;¬)

* eu sei

16 de Outubro – Deixando o embaraço de lado e seguindo para o alvo

16 de Outubro – Deixando o embaraço de lado e seguindo para o alvo

    Deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta. (Hb 12.1.)

    Há embaraços que, em si mesmos, não são pecado, mas que se tornam distrações e pedras de tropeço em nosso crescimento espiritual. Um dos piores é o desânimo. Um coração pesado é de fato um embaraço que certamente nos fará descer em nossa santidade e utilidade.

    O processo que resultou em Israel não poder entrar na terra da promessa começou com a murmuração. Apenas um leve desejo de se queixarem e estarem descontentes. Isto foi adiante até florescer e frutificar em rebelião e ruína. Não condescendamos jamais em duvidar de Deus ou de Seu amor e fidelidade para conosco em tudo e para sempre.

    Nós podemos tomar posição contra a dúvida, assim como contra qualquer pecado. E enquanto ali estamos, recusando duvidar, o Espírito Santo virá ao nosso auxílio e nos dará a fé que vem de Deus e nos coroará de vitória.

    É muito fácil cair no hábito de duvidar, de ficar inquieto imaginando que Deus nos esqueceu e que afinal nossas esperanças terminarão em fracasso.

    Recusemos o desânimo. Recusemos ficar infelizes e acabrunhados. Contemos tudo como gozo, mesmo quando não estivermos sentindo emoções de felicidade. Alegremo-nos por fé, resolutos, reconhecendo os fatos da Palavra; e sem dúvida descobriremos que Deus porá em operação esses fatos. — Selecionado.

    O inimigo tem duas ciladas. Uma é fazer-nos desanimar, então, pelo menos por algum tempo, não seremos de utilidade para os outros, e assim estaremos derrotados. A outra é fazer-nos duvidar, quebrando assim o elo da fé, que nos liga ao Pai. Atenção! Não caia em nenhuma delas. — G. E. M.

    Alegria! Eu gosto de cultivar o espírito de Alegria! Ela recoloca a alma no tom certo, e conserva-a afinada, de modo que o inimigo se intimida ao tocá-la; pois as cordas da alma ficam aquecidas demais ou cheias demais de eletricidade celeste, para os dedos infernais. E ele vai para outro lugar! Ele sempre se intimida em vir me atacar quando meu coração está cheio de alegria e gozo do Espírito Santo.

    Meu plano é tocar para longe o espírito de tristeza, como a Satanás. Ah, mas nem sempre tenho êxito. Às vezes, no caminho do serviço, a tristeza vem ao meu encontro como o próprio inimigo, e me olha tão de frente que a minha pobre alma muda de cor!

    A tristeza descora tudo; deixa os objetos sem encanto; envolve em trevas as perspectivas futuras; tira as aspirações da alma, acorrenta os seus poderes e produz uma paralisia mental.

    Um crente idoso comentou certa vez que o ânimo na vida de fé faz com que todos os serviços se desenrolem com prazer; e que nunca somos levados avante tão depressa no caminho do dever, como quando transportados nas asas do contentamento. E acrescenta que a melancolia amarra essas asas; ou, para mudarmos a figura, que a tristeza tira as rodas do nosso carro que segue na trilha do dever, e faz com que ele ande pesadamente, como os carros dos egípcios, que se afundaram no mar Vermelho.

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

15 de Outubro – Deus também usa coisas quebradas, que ninguém dá valor

15 de Outubro – Deus também usa coisas quebradas, que ninguém dá valor

A um coração quebrantado e contrito não desprezarás, o Deus. (Sl 51.17.)

O que Deus mais usa para a Sua glória são as pessoas e coisas bem quebradas. Os sacrifícios que Ele aceita são os corações quebrantados e contritos. Foi o quebrantamento da força natural de Jacó em Peniel que o colocou no lugar onde Deus pôde revestir de poder espiritual. Foi o quebrar da superfície da rocha em Horebe, pela vara de Moisés, que permitiu a saída das águas frescas para o povo sedento.

Foi quando os trezentos eleitos sob a liderança de Gideão quebraram os jarros, tipo do quebrantamento de seus próprios corações, que a luz escondida resplandeceu, para confusão dos adversários. Foi quando a viúva pobre partiu o selo do pequeno pote de óleo e o derramou, que Deus o multiplicou para pagar suas dívidas e suprir-lhe o sustento.

Foi quando Ester arriscou a vida e rompeu com a etiqueta da corte pagã, que obteve favor do rei para livrar da morte o seu povo. Foi quando Jesus tomou os cinco pães e os partiu, que o pão se multiplicou, no próprio ato do partir, e foi suficiente para alimentar os cinco mil. Foi quando Maria quebrou o belo vaso de alabastro, tornando-o daí por diante inútil, que o perfume encheu a casa. Foi quando Jesus deixou que Seu corpo fosse partido e rasgado pelos espinhos, pregos e lança, que Sua vida interior foi derramada como um rio cristalino, do qual os pecadores sedentos podem beber e viver.

É quando o lindo grão de trigo se rompe na terra, pela morte, que sua vida interior brota e produz centenas de outros grãos. E assim por diante — através de toda a história, e toda biografia, e toda vegetação, e toda a vida espiritual — Deus precisa de COISAS QUEBRADAS.

Os que estão quebrados na riqueza, quebrados na vontade, quebrados nas ambições e em seus belos ideais, quebrados na reputação perante o mundo, quebrados nas afeições, e muitas vezes quebrados na saúde, os que estão desprezados parecem muitas vezes esquecidos e abandonados, a esses o Espírito Santo está tomando e usando para a glória de Deus. — Thomas Toke Bunch

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

14 de Outubro – Sentindo o toque do anjo do Senhor

14 de Outubro – Sentindo o toque do anjo do Senhor

Eis, porém, que sobreveio um anjo do Senhor, e uma luz iluminou a prisão; e, tocando ele o lado de Pedro, o despertou, dizendo: Levanta-te depressa. Então as cadeias caíram-lhes das mãos. (At 12.7.)

E perto da meia noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus… E de repente sobreveio um tão grande terremoto, que os alicerces do cárcere se moveram, e logo se abriram todas as portas, e foram soltas as prisões de todos. (At 16.25,26.)

Esta é a maneira de Deus atuar. Na hora mais escura da noite, Seus passos se aproximaram por sobre as ondas. Quando se aproxima a hora da execução, o anjo vem à cela de Pedro. Quando a forca de Mordecai está pronta, a insônia do rei o leva a uma reação em favor da raça escolhida.

Ah, alma, pode ser que você chegue às margens do pior, antes de ser libertada; mas o livramento virá! Deus pode deixá-la esperando, mas Ele não Se esquece do Seu concerto, e aparecerá para cumprir a Sua Palavra. — F. B. Meyer

Há uma grande simplicidade na maneira como Deus executa Seus planos, contudo, dentro dessa simplicidade estão Seus recursos, que são mais do que suficientes para suprir qualquer necessidade; está a sua fidelidade inabalável para com o filho confiante; está o Seu propósito firme, do qual jamais Se esquece. Através de um companheiro de prisão e depois de um sonho, Ele tira José da prisão e o leva ao posto de primeiro ministro. E o tempo passado na prisão livra o futuro ministro de se vangloriar. É seguro confiar no método de Deus e seguir pelo Seu relógio. — S. D. Gordon

Quando o caso é mesmo desesperador, a providência de Deus tem mil chaves para abrir mil portas para o livramento dos Seus. Sejamos fiéis e cuidemos da nossa parte, que é sofrer por Ele; ponhamos sobre Cristo a Sua parte e a deixemos lá. — George McDonald

A dificuldade é a própria atmosfera do milagre — é o milagre em seu primeiro estágio. Para que se opere grande milagre a condição não é que o problema seja apenas difícil, mas que seja impossível. Ter a mão do filho confiante dentro da Sua, faz que seja um prazer para Deus o resolver a situação impossível.

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

13 de Outubro – A difícil luta contra a ansiedade

13 de Outubro – A difícil luta contra a ansiedade

Não estejais inquietos. (Fp 4.6.)

Nenhuma ansiedade deveria achar-se no crente. Grandes, muitas e várias podem ser as nossas provações, aflições ou dificuldades, contudo não deveria haver ansiedade em nós, em nenhuma dessas circunstâncias, porque temos um Pai no céu que é todo-poderoso; que ama a Seus filhos como ama a Seu Filho unigênito; e que tem verdadeiro gozo e prazer em socorrê-los e ajudá-los em todas as ocasiões e em qualquer circunstância.

Devemos atentar para a Palavra: “Não estejais inquietos por coisa alguma: antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplicas, com ação de graças.”

“Em tudo”, não meramente quando a casa está pegando fogo, não meramente quando a querida esposa e filhos estão às portas da morte, mas nas menores coisas da vida, traga tudo a Deus. As coisas pequenas, as bem pequenas, as coisas que o mundo chama de insignificantes — tudo — vivendo o dia todo em santa comunhão com nosso Pai Celestial e com nosso precioso Senhor Jesus.

E ao acordarmos durante a noite, como por um instinto espiritual, voltemo-nos novamente a Ele, falando-Lhe e levando-Lhe, nas horas insones, os nossos pequenos assuntos — as dificuldades a respeito da família, dos negócios, da profissão. Falemos com o Senhor a respeito de qualquer coisa que nos perturbe de alguma forma.

“Pela oração e pela súplica”, tomando o lugar de pedintes, com fervor e perseverança, prosseguindo e esperando, esperando em Deus.

“Com ações de graças.” Em todo o tempo devemos assentar um bom alicerce de ações de graças. Se tudo mais estiver ausente, isto está presente: Ele nos salvou da perdição. E também, o fato de que Ele nos deu a Sua Palavra — o Seu Filho, Sua mais preciosa dádiva — e o Espírito Santo. Portanto, temos abundantes razões para ações de graças. Tenhamos isto em mente!

“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e as vossas mentes em Cristo Jesus.” E isto é uma bênção tão grande, tão real, tão preciosa, que precisa ser conhecida experimentalmente, e só assim, pois excede o entendimento.

Oh, que o nosso coração se embeba destas coisas. E se habitualmente andarmos neste espírito, o resultado será que glorificaremos muito mais a Deus do que já fizemos até agora. — George Müller Life of Trust

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que pretendo por em prática este ano, para abençoar meus leitores. Texto retirado de Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, esgotado. Mas você pode ler uma versão online aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!