18 de Setembro – Obtendo visões dos céus

18 de Setembro – Obtendo visões dos céus

    Quando tu disseste: Buscai o meu rosto; o meu coração te disse a ti: O teu rosto, Senhor, buscarei. (Sl 27.8.)

É necessário esperar em Deus, a fim de vermos a Deus, de termos uma visão dEle. O elemento tempo é essencial na visão. Nosso coração é como uma sensível chapa fotográfica e para termos Deus revelado ali, precisamos sentar-nos a Seus pés por muito tempo. A face encrespada de um lago não reflete o céu.

Se queremos ver a Deus nossas vidas precisam estar quietas e em repouso.

A visão de certas coisas tem o poder de afetar uma vida: um calmo pôr-de-sol poderá acalmar um coração agitado. A visão de Deus sempre transforma a vida humana.

Jacó viu a Deus em Jaboque, e passou a ser Israel. A visão de Deus transformou Gideão, de covarde, em um soldado valoroso. A visão de Cristo mudou Tomé, de seguidor temeroso, para discípulo devotado e leal.

Os homens têm tido visões de Deus desde os tempos bíblicos. William Carey viu a Deus, e deixou seu banco de sapateiro para ir à Índia; Davi Livingstone viu a Deus, e deixou tudo para segui-lO através das selvas escuras da África. Dezenas e centenas de pessoas têm tido visões de Deus e hoje estão nos confins da terra, trabalhando para apressar a evangelização do mundo. — Pardington

É muito raro haver um silêncio completo na alma. Deus está-nos falando baixinho, bem de perto, incessantemente. Sempre que os sons do mundo cessam na alma, ou se empalidecem, ouvimos o murmurar de Deus. Ele está sempre falando baixinho aos nossos ouvidos. Se nós não ouvimos, é por causa do barulho, da pressa e da distração que a vida produz enquanto passa veloz. — F. W. Faber

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

17 de Setembro – Rendendo-se aos propósitos divinos

17 de Setembro – Rendendo-se aos propósitos divinos

    É o Senhor; faça o que bem lhe aprouver. (1 Sm 3.18.)

“Veja Deus em tudo, e Deus porá calma e colorido em tudo o que você vê!”

Pode ser que as circunstâncias da nossa dor não sejam removidas, que a sua condição permaneça inalterada, mas se Cristo, como Senhor e Mestre de nossa vida, for trazido para a nossa dor e sombra, Ele nos cingirá de alegres cantos de livramento. Vê-lO — e ter a certeza de que a Sua sabedoria não pode errar, Seu poder não falha, Seu amor não muda, saber que mesmo os Seus tratamentos mais severos e dolorosos para conosco visam ao nosso mais profundo proveito espiritual — é ser capaz de dizer, no meio do luto, do sofrimento, da dor, da perda: “O Senhor o deu, e o Senhor o tomou; bendito seja o nome do Senhor.”

Nada, senão ver a Deus em tudo pode tornar-nos pacientes com os que nos molestam e atribulam. Eles serão para nós, então, apenas instrumentos para a realização dos propósitos sábios e amorosos de Deus para conosco, e nos encontraremos por fim dando graças por eles no íntimo, pela bênção que trouxeram à nossa vida. Nenhuma outra coisa porá um ponto final tão decisivo em nossas murmurações e pensamentos de rebelião. — H. W. Smith

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

16 de Setembro – Junto às torrentes do Querite

16 de Setembro – Junto às torrentes do Querite

    Esconde-te junto à torrente de Querite. (1 Rs 17.3.)

Os servos de Deus precisam ser instruídos quanto ao valor da vida escondida. Para se ocupar uma posição elevada diante dos semelhantes, é preciso tomar uma posição humilde diante de Deus. Não devemos ficar surpresos se às vezes nosso Pai nos diz: “Chega meu filho. Você já agüentou bastante dessa correria, publicidade e movimento; retire-se daqui, esconda-se junto ao ribeiro — esconda-se no Querite do quarto de enfermidade, ou no Querite do luto, ou em alguma solidão, do qual as multidões se afastaram.”

Feliz daquele que pode responder: “A Tua vontade nisto é a minha também. Fujo para Ti e me escondo. Esconde-me no oculto do Teu tabernáculo e à sombra das Tuas asas!”

Para que uma alma piedosa tenha poder entre os homens, ela precisa ganhá-lo em algum Querite escondido. A aquisição de poder espiritual é impossível, se não nos escondermos dos homens e de nós mesmos em algum lugar oculto onde possamos absorver o poder do Deus eterno: como a vegetação que absorveu por longas eras a energia do sol, agora a devolve através do carvão em brasa.

O Bispo Andrews, um servo de Deus, teve o seu Querite, no qual passava cinco horas diariamente em oração e devoção. João Welsh também, o qual achava mal empregado o dia em que não passava de oito a dez horas em comunhão particular. Davi Brainerd teve o seu Querite nas matas da América do Norte.

Christmas Evans o teve nas viagens longas e solitárias por entre os montes de Gales.

Ah, voltemo-nos aos benditos começos da nossa era: Patmos, o lugar segregado das prisões romanas, o deserto da Arábia, os montes e vales da Palestina, todos estes são lembrados para sempre como os Querites daqueles que fizeram o nosso mundo de hoje.

Nosso Senhor encontrou o Seu Querite em Nazaré e no deserto da Judéia entre as oliveiras de Betânia e na solidão de Gadara. Nenhum de nós, pois, pode passar sem algum Querite, onde o som das vozes humanas é substituído pela quietude das águas que vêm do trono, e onde podemos provar as doçuras e embeber-nos do poder de uma vida escondida com Cristo. — Elijah, de Meyer

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

5 Atitudes e Posturas Para Tornar Sua Vida Melhor

5 Atitudes e Posturas Para Tornar Sua Vida Melhor

coragem

Sabe, caro leitor, quero lhe contar um pequeno segredo: eu não escolhi ser escritor de textos motivacionais, não senhor. Na verdade, eu já passei por tantas decepções e desilusões que precisei lutar contra o desânimo, a depressão e a vontade de desistir mais vezes do que gostaria. E é justamente por isso que, agora, eu escrevo sobre motivação, porque reflete um pouco de minha própria história de vida pessoal.

E, neste texto, que teve inspiração de outro artigo, mas tratando sobre finanças, quero lhe dar algumas boas dicas para tornar sua vida melhor.

1. Esteja preparado para se decepcionar: vivemos em um país onde fazer o certo e agir honestamente é sinônimo de ser otário, mané, atrasado e outros mimos. E isso é trágico para a sociedade, pois tal postura não se sustenta, já que mesmo aquele que engana os outros não suporta ser enganado, passado para trás. Assim, saiba que você sofrerá, mais cedo ou mais tarde, algum tipo de decepção. Mas, não desanime: a vida continua.

2. Quem não arrisca, não petisca: apesar de ser um chavão antigo, é verdadeiro e atual. Muitas vezes, nós perdemos boas oportunidades apenas pelo medo de tentar, de arriscar, de sair da zona de conforto e enfrentar o desconhecido. O máximo que pode acontecer se você quiser se arriscar é ouvir um não, quebrar a cara ou se decepcionar. Só isso. Mas, como você já descobriu que devemos nos preparar para as decepções, vamos levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima, não é mesmo?

3. Estabeleça alvos e metas. Já dei algumas palestras para jovens, e uma coisa é comum a todos eles: sonhos. Quando somos jovens, nossa cabeça se enche de sonhos; alguns vingam, outros, não. Mas, nem por isso devemos desistir de sonhar. Sonhar com uma vida melhor, sonhar com um lugar melhor, seja nossa casa, nosso bairro ou até mesmo nosso país. E o que é um alvo senão um sonho colocado no papel? O que é uma meta senão um sonho desenhado? Você tem sonhos? Parabéns: mas, não se esqueça de suar para torná-los reais.

4. Valorize quem está do seu lado. Já que falei de jovens, outra caraterística comum dos jovens são as amizades. Já percebeu: é difícil encontrar um jovem sozinho e, quando está, muitas vezes está com problemas. Todavia, também é comum o jovem valorizar suas amizades e se esquecer da família, que deveria a primeira escolha de amizade dele. Infelizmente, muitos descobrem que deveriam ter dado mais atenção aos pais quando já é tarde demais. Não cometa o mesmo erro, ok?

5. Não perca o foco. Nesse mundo cheio de distrações que vivemos, é muito comum ficarmos deslumbrados e até mesmo perdermos a noção das coisas e de nossas metas e alvos. Talvez já tenha acontecido com você também. Comigo acontece demais, e é por isso que chamo sua atenção para não perder o foco, não perder seu alvo de vista, não sair do prumo. Você só tem uma vida, então não a desperdice com uma vida fútil, sem sentido, sem rumo e sem destino. Por isso, se oriente e não perca o foco, visse?

Conclusão: a vida não é fácil, muitos dizem, mas morrer, que é bom (ou ruim, depende para onde se vai quando morre), ninguém quer. Se você pode enxergar, se pode ouvir, se pode falar, se consegue ler e entender o que escrevi aqui, sua vida não é ruim. Talvez esteja apenas um pouco chata, mas cabe a você lutar para melhorá-la a cada dia. E é isso que faz a vida tão interessante: saber que ela pode ser mudada através de nosso esforço. Mãos à luta.

(este artigo foi escrito para o Jornal Expresso, de Jean Souza)

Gostou? Então curta, compartilhe, comente, enfim, deixe seu apoio ao nosso trabalho. Obrigado!

15 de Setembro – No jardim dos aromas pedagógicos

15 de Setembro – No jardim dos aromas pedagógicos

    Assopra no meu jardim, para que se derramem os seus aromas. (Ct 4.16.)

Algumas das especiarias mencionadas neste capítulo são bastante sugestivas. O aloés era uma especiaria amarga, e fala-nos da doçura das coisas amargas, o doce-amargo, que quem já provou, sabe bem quanto agrada ao paladar. A mirra era usada para embalsamar os mortos, e fala-nos de morrermos para alguma coisa. É a doçura que vem ao coração depois que ele morreu para a vontade-própria, o orgulho e o pecado.

Oh, o encanto inexprimível que paira em torno de alguns crentes, simplesmente porque trazem no semblante açoitado pela disciplina e no espírito dulcifícado, as marcas da cruz; a santa evidência de terem morrido para o que uma vez foi orgulho e força, mas que agora está para sempre aos pés do Senhor. É o encanto celeste de um espírito quebrantado e um coração contrito, a música que brota de uma tonalidade menor.

E ainda, o incenso, com a fragrância que procedia do toque de fogo. Era aquele pó queimado que se erguia em nuvens de doçura do seio das chamas. Fala-nos do coração cuja doçura tem-se desprendido talvez através das chamas da aflição, até que o lugar santo da alma é cheio das nuvens de oração e louvor. Amado leitor, estamos nós derramando as especiarias, os perfumes, os aromas suaves do coração? — The Love Life of our Lord

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

14 de Setembro – Sob o peso dessa cruz

14 de Setembro – Sob o peso dessa cruz

    Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. (Mc 8.34.)

A cruz que o Senhor me manda tomar e carregar pode assumir diferentes formas. Pode ser que eu tenha de me contentar com uma esfera humilde e estreita, quando sinto capacidade para trabalho muito mais elevado. Pode ser que eu tenha de cultivar durante muitos anos um campo que não me parece trazer colheita alguma. Pode ser que Ele me mande nutrir pensamentos amáveis sobre alguém que me prejudicou, e pode ser que eu seja levado a falar-lhe brandamente, a tomar a sua defesa contra alguém que se opõe a ele, a cercá-lo de simpatia e dar-lhe minha ajuda.

Pode ser que eu tenha de confessar a meu Mestre no meio daqueles que não querem ser relembrados da existência dEle, nem dos Seus direitos sobre eles. Pode ser que eu seja chamado a andar entre os homens com rosto radiante, quando meu coração está partido. Existem muitas cruzes, e todas elas são dolorosas e pesadas. Nenhuma delas será procurada por mim de iniciativa própria.

Mas Jesus nunca está tão perto de mim como quando tomo a minha cruz e, submisso, coloco-a sobre os ombros, e a recebo com as boas-vindas de um espírito paciente e conformado. Ele Se aproxima, para fazer amadurecer a minha sabedoria, para aprofundar a minha paz, para aumentar a minha coragem, para aumentar minha capacidade de ser útil aos outros, e isto através da própria experiência que se faz tão pesada e angustiante. E então — como estava escrito no sinete de um heróico prisioneiro —    Eu cresço sob a carga. Alexander Smellie

“Aceite sua cruz como um bordão, não como um tropeço.”

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

13 de Setembro – Preparado para o amanhã com Deus

13 de Setembro – Preparado para o amanhã com Deus

    Prepara-te para amanhã, para que subas pela manhã ao monte… e ali põe-te diante de mim no cume do monte.” (Êx 34.2.)

A manhã é o tempo que eu estabeleci para estar a sós com o Senhor. A própria palavra manhã é como um belo cacho de uvas. Vamos esmagá-las e beber o vinho sagrado. De manhã! É a hora que Deus preparou para eu estar no melhor do meu vigor e esperança. Não vou ter que subir ao monte na hora em que estou cansado. Durante a noite eu sepultei a fadiga de ontem, e de manhã tomo uma nova porção de energia. Bendito é o dia cuja manhã é santificada! Bem sucedido é o dia cuja primeira vitória é conquistada em oração! Santo é o dia cuja aurora nos encontra no cume do monte!

Meu Pai, estou indo! Nada na planície rasteira me afastará das santas alturas. Ao Teu comando eu vou, então Tu virás encontrar-Te comigo. De manhã no monte! E estarei forte e alegre por todo o resto de um dia tão bem iniciado. — Joseph Parker

Minha mãe possuía o hábito de, todos os dias imediatamente após o café da manhã, recolher-se ao seu quarto e passar uma hora em leitura da Bíblia, meditação e oração. Daquele período, como se fosse uma fonte pura, ela tirava a força e a doçura que a capacitavam para todos os seus afazeres e para permanecer sem agitação no meio das banalidades e pequenos aborrecimentos que são tantas vezes motivo de perturbação em lugares onde a vizinhança é muito próxima.

Quando eu penso em sua vida, e em tudo o que teve de suportar, vejo o completo triunfo da graça cristã em seu precioso ideal de mulher cristã. Nunca vi seu gênio alterado; nunca a ouvi proferir uma palavra de ira, calúnia ou maledicência; nunca observei nela nenhum sinal de um só sentimento que não ficasse bem numa alma que havia bebido do rio da água da vida e que se havia nutrido do maná em pleno deserto. — Farrar

Dê a Deus a flor do dia. Não O ponha de lado juntamente com as folhas secas.

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!