2 de Setembro – Recebendo graça para sofrer

2 de Setembro – Recebendo graça para sofrer

    Porque vos foi concedida a graça de padecerdes. (Fp 1.29.)

O preço da escola de Deus é muito elevado. Muitas de suas lições são lidas através de lágrimas. Richard Baxter disse: “O Deus, eu Te agradeço pela disciplina deste corpo, que já dura cinqüenta e oito anos.” E ele não foi o único que transformou a tribulação em triunfo.

Esta escola de nosso Pai celeste logo terminará para nós; nosso período escolar está cada dia mais perto do fim. Não fujamos de diante de alguma lição mais difícil, nem recuemos ante a vara da correção. Ao nos diplomarmos na glória, a coroa será mais bela, e o Céu mais doce se tivermos suportado tudo alegremente. — Theodore L. Cuyler

A mais fina porcelana do mundo é queimada pelo menos três vezes, e algumas mais de três vezes. A de Dresden sempre é queimada três vezes. E por que passa por esse calor intenso? Uma ou duas vezes deveriam ser suficientes. Não, aquela porcelana precisa ser queimada três vezes para que os adornos de ouro e carmesim fiquem mais belos e se fixem nela permanentemente.

Em nossa vida somos trabalhados segundo o mesmo princípio. Nossas provações ardem em nós uma, duas, três vezes. E pela graça de Deus as cores mais belas são nela gravadas, e se fixam para sempre. — Cortland Myers

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

1° de Setembro – Como pedras ainda em estado bruto

1° de Setembro – Como pedras ainda em estado bruto

    Assentarei as tuas pedras com argamassa colorida.( Is 54.11.)

As pedras da parede falaram assim: “Nós viemos de montanhas distantes, dos flancos daqueles montes escarpados. Fogo e água deram contra nós, durante séculos, mas só nos tornaram mais rijas. Mãos humanas nos transformaram numa habitação, onde filhos da sua raça imortal têm nascido, sofrido e se alegrado, e onde têm encontrado descanso e abrigo e aprendido as lições ensinadas pelo nosso Criador e seu. Mas passamos por muita coisa, a fim de sermos preparadas para este lugar. A pólvora nos rasgou o coração e picaretas de operários nos fenderam e quebraram, o que às vezes nos parecia sem propósito e sem sentido, a nós que estávamos ali, informes, na pedreira. Mas aos poucos fomos sendo cortadas em blocos, e algumas foram trabalhadas por instrumentos especiais até terem quinas bem agudas. Agora, porém, estamos completas; cada uma ocupa seu lugar, e somos úteis.

“Você ainda está na pedreira, informe, e por isso muita coisa parece-lhe inexplicável como o era para nós tempos atrás. Mas você está destinado a um edifício muito mais importante, e um dia será colocado nele por mãos não humanas, e será uma pedra viva, num templo celeste.”

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

31 de Agosto – Fé é aquilo que não se vê

31 de Agosto – Fé é aquilo que não se vê

    Bem-aventurados os que não viram, e creram. (Jo 20.29.)

Como é forte a cilada das coisas visíveis, e como é necessário que Deus nos conserve voltados para as invisíveis! Se Pedro vai andar sobre as águas, precisa andar; se vai nadar, precisa nadar; mas não pode fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Se um pássaro vai voar, precisa afastar-se das cercas e árvores e confiar em suas asas. Mas se procurar conservar o chão ao seu alcance, seu vôo será bem precário.

Deus teve que levar Abraão ao limite de suas próprias forças; mostrando-lhe que em seu próprio corpo ele nada podia. Abraão precisou chegar a considerar seu corpo como amortecido, para depois esperar que Deus realizasse a obra toda; e quando tirou os olhos de si mesmo e confiou só em Deus, então ficou inteiramente persuadido de que, se Deus havia feito a ele a promessa, era tam bém poderoso para cumpri-la.

É isso que Deus está-nos ensinando, e muitas vezes Ele tem que afastar da nossa vida os resultados positivos, até que aprendamos a nEle confiar, sem o apoio deles. Então terá prazer em tornar a Sua Palavra bem real para nós por meio de fatos visíveis, assim como já nos é real por meio da fé.

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

30 de Agosto – Lançando-se às águas

30 de Agosto – Lançando-se às águas

    Aqueles que descem ao mar, embarcando em navios, aqueles que fazem tráfego nas grandes águas, esses vêem as obras de Jeová, e as suas maravilhas no profundo. (Sl 107.23,24.)

Para o céu, todo vento que sopra é bom. Quem ainda não aprendeu isto, ainda não é mestre na arte, é apenas aprendiz. A úni ca coisa que não ajuda a ninguém é a calmaria. Norte ou sul, leste ou oeste, não importa, qualquer vento pode nos levar em direção àquele porto bendito. Procuremos apenas uma coisa: fazer-nos ao mar alto, e então, não tenhamos medo de ventos tempestuosos. Façamos nossa a oração daquele velho crente: “Ó Senhor, manda-nos ao mar alto, às águas profundas. Aqui, nós estamos tão perto dos recifes que, à primeira brisa do inimigo, seremos feitos em pedaços. Senhor, manda-nos ao mar alto — às águas profundas, onde teremos espaço bastante para obter uma gloriosa vitória.” — Mark Guy Pearse

Lembremo-nos disto: nossa fé mostra suas verdadeiras dimen sões na hora da provação. Aquilo que não suporta o momento de prova não passa de mera confiança carnal. Fé em tempo de bonança não é fé. — C. H. Spurgeon

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

 

29 de Agosto – A tentação de trocar a cruz

29 de Agosto – A tentação de trocar a cruz

    Ele próprio, carregando a sua cruz, saiu… (Jo 19.17.)

Há uma poesia chamada “A Cruz Trocada”, que fala de uma mulher que, muito cansada, achou que a sua cruz era mais pesada do que a das pessoas à sua volta, e desejou trocá-la por outra. Certa vez sonhou que tinha sido levada a um lugar onde havia muitas cruzes, de diversos formatos e tamanhos. Havia uma bem pequena e linda cravejada de ouro e pedras preciosas. “Ah, esta eu posso carregar facilmente”, disse ela. Então tomou-a; mas seu corpo frágil estremeceu sob o peso daquela cruz. As pedras e o ouro eram lindos, mas o peso era demais para ela.

A seguir viu uma bonita cruz, com flores entrelaçadas ao redor de seu tronco e braços. Esta seria a cruz ideal, pensou. Então tomou-a, mas sob as flores havia espinhos, que lhe feriram os ombros.

Finalmente, mais adiante, viu uma cruz simples, sem jóias, sem entalhes, tendo apenas algumas palavras de amor inscritas nela. Pegou-a, e viu que era a melhor de todas, a mais fácil de carregar. E enquanto a contemplava banhada pela luz que vinha do céu, reconheceu que era a sua própria cruz. Ela a havia encontrado de novo, e era a melhor de todas, e a que lhe pareceu mais leve.

Deus sabe melhor qual é a cruz que devemos levar. Nós não sabemos o peso da cruz dos outros. Invejamos uma pessoa que é rica; a sua cruz é de ouro e pedras preciosas, mas não sabemos o peso que tem. Ali está outra pessoa cuja vida parece muito agradável. Sua cruz está ornada de flores. Se pudéssemos experimentar todas as outras cruzes que julgamos mais leves do que a nossa, descobriríamos por fim que nenhuma delas é tão certa para nós como a nossa. — Glimpses through Life’s Window

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

28 de Agosto – Uma fé debaixo de muitas provas

28 de Agosto – Uma fé debaixo de muitas provas

    Ali os provou. (Êx 15.25.)

Estive certa vez na sala-de-provas de uma grande indústria de aço. À minha volta achavam-se pequenas divisões e compartimentos, e nelas, peças de aço que haviam sido provadas. Cada uma estava marcada com um número que mostrava seu ponto de resistência.

Algumas haviam sido torcidas até se quebrarem, e a força de torção estava registrada nelas. Outras haviam sido esticadas até ao ponto máximo, e sua resistência à tração também estava ali indicada. Outras, ainda, haviam sido prensadas até ao máximo, e também estavam marcadas. O chefe das obras sabia exatamente o que aquelas peças de aço suportariam sob pressão. Sabia exatamente o que agüentariam se colocadas num grande navio, edifício ou ponte. E sabia isto porque a sala-de-provas o havia revelado.

Muitas vezes, isto acontece com os filhos de Deus. Ele não quer que sejamos como vasos de vidro ou porcelana. Deseja ver-nos como essas peças de aço, enrijecidas, capazes de suportar torções e compressões até o máximo, sem desfalecer.

Ele não quer que sejamos plantas de estufa, mas carvalhos batidos pelas tempestades; não dunas de areia, movidas por qual quer rajada de vento, mas rochas de granito, arrostando os mais furiosos temporais. Para tornar-nos assim, Ele precisa levar-nos à Sua sala-de-provas do sofrimento.

Muitos de nós não precisam de outro argumento que a própria experiência, para provar que de fato o sofrimento é a sala-de-provas da fé. — J. H. McC.

    É muito fácil falarmos e apresentarmos teorias sobre a fé, mas, muitas vezes, Deus nos lança no cadinho para provar o nosso ouro e para separar dele a escória e as imperfeições. Felizes somos nós, se os furacões que encrespam o mar inquieto da vida têm o efeito de tornar Jesus ainda mais precioso ao nosso coração. É melhor a tempestade com Cristo do que águas mansas sem Ele. — Macduff

    Como seria, se Deus não pudesse usar o sofrimento para amadurecer a nossa vida?

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!

27 de Agosto – Experimentando a prisão de Deus

27 de Agosto – Experimentando a prisão de Deus

    Jesus, tirando-o da multidão, à parte… (Mc 7.33.)

Paulo não só suportou as provas no meio do serviço ativo, como na solidão da prisão. É possível suportar-se a pressão de um trabalho intenso, acompanhado de severo sofrimento, e depois não resistir quando deixado à parte, fora de toda atividade religiosa; quando forçado a um estreito confinamento em uma prisão.

Aquela ave nobre, que corta as maiores alturas, alçando-se acima das nuvens, conseguindo voar extensões enormes, mergulha no desespero quando é lançada numa gaiola, e forçada a bater contra as barras da sua prisão as asas impotentes. Você já viu uma grande águia definhar em uma pequena cela, com a cabeça curvada e as asas pendidas? Que imagem da tristeza e inatividade!

Paulo na prisão — uma outra visão da vida. Quer ver como ele enfrenta a situação? Eu o vejo olhando por cima das paredes da prisão e por cima da cabeça de seus inimigos. Vejo-o escrever um documento e assinar seu nome, não o prisioneiro de Festo, nem de César; não a vítima do Sinédrio; mas — o “preso do Senhor”.

Ele via só a mão de Deus, em tudo aquilo. Para ele a prisão se torna um palácio. Em seus corredores ecoam brados de triunfante louvor e gozo.

Impedido de realizar o trabalho missionário que ele tanto amava, agora constrói um púlpito — uma nova tribuna de testemunho — e daquele lugar de cativeiro, vêm alguns dos mais maravilhosos e mais úteis serviços acerca de liberdade cristã. Que preciosas mensagens de luz vêm daquelas sombras escuras da prisão.

Pense na longa linha de santos aprisionados que se sucederam no rastro do apóstolo. Durante doze longos anos, os lábios de Bunyan estiveram silenciados na prisão de Bedford. E foi ali que ele fez a maior e melhor obra de sua vida. Lá ele escreveu “O Peregrino”, o livro mais lido depois da Bíblia. Assim nos fala: “Na prisão, eu me sentia como em casa; sentava-me e escrevia, escrevia… pois a alegria me fazia escrever.”

O sonho maravilhoso da longa noite de Bunyan tem iluminado o caminho de milhões de peregrinos cansados. Uma mulher francesa, cheia do Espírito Santo, Madame Gyuon, ficou muito tempo entre as paredes de uma prisão. Como alguns pássaros cativos cujo canto é mais belo quando estão confinados, a música de sua alma voou para muito longe daquelas paredes escuras e tem feito dissipar-se a desolação de muitos corações desalentados.

Oh, a consolação celeste que se tem elevado de tantos lugares de solidão! — S. C. Rees

Este post faz parte de uma série de postagens devocionais que estamos pondo em prática este ano, para abençoar os leitores do blog. Os textos foram retirados do excelente livro de devocionais diários Mananciais no Deserto, de Lettie Cowman, Editora Betânia. Infelizmente, está esgotado, mas você pode ler uma versão online dele aqui, no Scribd.

Divulgação do blog Desafiando Limites.

Gostou? Avalie nas Estrelas, compartilhe no +1, twitter, facebook, etc ou deixe seu comentário. Obrigado!